Plantações florestais e a instrumentalização do estado em Moçambique | Land Portal
Icono PDF Download file (1.42 MB)

Información del recurso

Date of publication: 
Julio 2017
Resource Language: 
Pages: 
45
License of the resource: 

A entrada de capital estrangeiro no sector de plantações florestais em Moçambique, referido como parte da estratégia do governo para impulsionar o desenvolvimento rural, tem resultado num incremento de procura e ocupação de terras, especialmente na região centro e norte do país, e na alteração da distribuição do principal meio de produção das populações rurais a favor do capital. Este estudo compreende três importantes objectivos incluindo a identificação dos impactos das plantações florestais nas diferentes regiões do país; o aprofundamento da análise focalizando apenas nas áreas de actuação da empresa Portucel Moçambique com a finalidade de compreender a importância das actividades da empresa nos modos de vida dos camponeses, analisar o processo de ocupação de terras pela empresa e o nível de envolvimento e inclusão das comunidades locais no desenvolvimento rural induzido pela actuação da empresa; e, perceber até que ponto as políticas de governação determinam o modelo de desenvolvimento rural induzido pela entrada de capital no sector de plantações florestais em Moçambique. As formas de entrada e de actuação de multinacionais neste sector podem ser analisadas numa abordagem marxista sobre a penetração do capital nas zonas rurais, na medida em que se verifica uma redistribuição do recurso terra (entre os capitalistas e os agregados familiares) que, posteriormente, determina a capacidade de acumulação de riqueza. Portanto, os camponeses procuram ajustar-se a novos contextos, simultaneamente através de processos de resistência e/ou de integração perante a penetração do capital e novas formas de mercado. Consequentemente verifica-se o aprofundamento das desigualdades sociais e a reprodução das classes dominantes através de mecanismos económicos, políticos e por meio da instrumentalização das burocracias do Estado como meio de acesso e distribuição de recursos. Considerando que o investimento é intensivo em capital e pouco gerador de emprego pela natureza da produção, pode-se supor que existirá principalmente um processo de reconstituição (recomposição) do campesinato com maiores diferenciações sociais.

Autores y editores

Author(s), editor(s), contributor(s): 

Bruna, N

Publisher(s): 

O Observatório do Meio Rural (OMR) é uma pessoa colectiva de direito privado sem fins lucrativos, dotada de personalidade jurídica e com autonomia administrativa, financeira e patrimonial.

Registada na Conservatória do Registo das Entidades Legais sob o Número Único de Entidade Legal 100274736, com sede na cidade de Maputo, República de Moçambique.

Comparta esta página