Povo Mayagna da Nicarágua é atacado com armas de fogo | Land Portal
O Centro de Assistência Legal para  Povos Indígenas (CALPI) recebeu em 22 de janeiro de 2021 informações sobre ataques a guardas florestais indígenas nas proximidades das comunidades Wilu, Tuybangkana, Musawas e Alal no território Mayangna de Sauni As na área central da Rerseva de Bosawás. Os guardas-florestais Donald Castillo Felipe, 60 anos, Presino Samuel, 47, e Corino Simeón, 44 anos, ficaram feridos, este último em estado delicado, pelo que foi transferido para o hospital Bonanza. Porém, os indígenas temem o que aconteceu no passado no atentado de 29 de janeiro de 2020 na comunidade de Alal, onde os feridos atendidos foram ameaçados por colonos nas instalações do próprio hospital. 
 
Autoridades indígenas informam que, desde junho de 2020, um grupo de aproximadamente 70 colonos não indígenas se dispersou pelo território Sauni As, armados com submetralhadoras e espingardas USE - armas de guerra - e se comunicaram através de sinalizadores, a fim de usurpar terras nas quais as comunidades dos povos indígenas Mayangna têm vivido tradicionalmente, sendo estas áreas produtivas onde são produzidos feijão e outros cultivos. Para evitar confrontos, os Mayangna denunciaram às autoridades competentes, porém, até hoje nada fizeram a respeito, deixando o povo Mayangna totalmente vulnerável e indefeso.
 
Da mesma forma, a comunidade Wilu, uma das comunidades atacadas, foi forçosamente deslocada em dezembro de 2017 para Musawas, devido ao assedio e perseguição destes grupos armados que invadem seus campos agrícolas, suas florestas e lugares sagrados.
 
Líderes indígenas também relatam que os usurpadores vêm de experiências criminais anteriores em outras terras indígenas, nas quais semeiam maconha, abrigam fugitivos da justiça e todos estão armados. Da mesma forma, nas últimas eleições municipais, colonos do sul, centro e norte da Nicarágua apareceram com carteiras de identidade de Bonanza.
 
Políticos e funcionários públicos regionais e municipais promovem as invasões com a criação de assentamentos de colonos em territórios indígenas, e imediatamente lhes concedem a nomeação de autoridades; eles são providos de uniformes e equipamentos esportivos, visitas do Ministério da Educação (MINED), do Ministério da Saúde (MINSA) e de técnicos municipais para atendê-los. Os assentados mostram documentos assinados por autoridades que supostamente os credenciam como donos da área, ameaçando e violando os direitos do povo indígena Mayangna, que já foi denunciado várias vezes por escrito e até com a captura e entrega de assentados às autoridades policiais , os quais são então liberados.
 
Os denunciantes mostram no mapa anexo a área que os assentados pretendem usurpar, áreas virgens que desmataram indiscriminadamente, sob pena de ameaças de perdas humanas e deslocamento forçado de famílias indígenas cada vez mais empobrecidas pela violação de seus mananciais para consumo de gado e consumo humano. Os reclamantes afirmam que desde junho de 2020 os colonos continuaram passando o rio Pispis, o Médio Waspuk e cruzando o rio Waspuk acima. Também informam que a invasão armada e usurpação é descontrolada na Reserva da Biosfera de Bosawás, aumentando em 100% nos últimos meses, enquanto o fazem não contar com auxílio ou acompanhamento de qualquer ente estadual nas patrulhas e fiscalizações realizadas pelos guardas florestais indígenas. Tampouco viram atividades de proteção ambiental realizadas pelo Ministério do Meio Ambiente e Recursos Naturais (MARENA), apesar da importância que Bosawás tem para o RACCN (Região Autônoma da Costa Caribe Norte da Nicarágua), patrimônio natural de todos os nicaragüenses, e para a Mesoamérica.
 
A situação permanece, apesar do compromisso que o Estado da Nicarágua adquiriu recentemente com o Programa de Colaboração das Nações Unidas para a Redução de Emissões por Desmatamento e Degradação Florestal em Países em Desenvolvimento (REDD) do Fundo Cooperativo para Carbono de os Bosques (FCPF), e outros fundos, patrocinados pelo Banco Mundial por meio do Banco Centro-Americano de Integração Econômica (CABEI).
 
“Nós, dirigentes e intelectuais Mayangna, assumimos a responsabilidade de nos defendermos destes ataques e assim preservarmos a vida da nossa população, como povos indígenas, agimos como guardiões dos nossos territórios ancestrais, da reserva Bosawás e em defesa da Mãe Terra, e acreditamos que este é o início de acontecimentos mais graves ”, expressaram.
 
Portanto, o CALPI pede às autoridades nicaragüenses e à comunidade internacional que exerçam seu dever de proteger essas pessoas à beira do extermínio ou do genocídio, uma vez que esta situação ocorre há vários anos sem que o Estado da Nicarágua cumpra devidamente sua responsabilidade nacional e internacional de proteger os direitos à integridade física e mental dos povos indígenas Mayangna ou a integridade de seu território ancestral, titulado pelo mesmo Estado em 2006.

Comparta esta página