Nampula: Mulheres queixam-se de discriminação na atribuição de terras | Land Portal | Sécurisation des droits fonciers à travers les données ouvertes

Mulheres na província de Nampula, no norte moçambicano, queixam-se de discriminação na atribuição de terras pelo Governo. Para trabalhar, muitas precisam arrendar terras para cultivo. ONG confirma situação.

Laura Namalata queixa-se de discriminação na atribuição de terras para cultivo. A camponesa do distrito de Malema, considerado o celeiro de Nampula, a província mais populosa de Moçambique, no norte do país, conta que muitas mulheres veem-se forçadas a arrendar ou a comprar porções de terra para a produção agrícola, o que por lei é ilegal.
 
"Na nossa terra, se a pessoa quer praticar a agricultura [em terras férteis] é cobrada uma certa quantia e se a pessoa não pagar é pressionada antes de fazer a colheita dos seus produtos agrícolas. E são poucas as mulheres que têm a sua área de cultivo, grande parte arrenda as machambas", lamentou.
 
Tal como Laura Namalata, muitas mulheres de diferentes distritos de Nampula sentem-se discriminadas na atribuição dos títulos de Direito de Uso e Aproveitamento de Terra (DUAT) para a prática da atividade agrícola. Foi o que constatou no terreno a Associação Nacional de Extensão Rural (AENA).
 
Razões para a discriminação
 
Jordão Matimula Júnior é o diretor-executivo desta organização não-governamental moçambicana que trabalha no setor agrário e diz que há duas razões para esta discriminação em Moçambique: "Primeiro, pelo facto de a mulher ser a pessoa fundamental no processo produtivo e reprodutivo na zona rural, o que impede de ter a gestão da renda, o que faz com que aquando do processo de titulação de terra não tenha capacidade de adquirir o seu DUAT.
 
O segundo aspeto "está relacionado com as normas e práticas culturais que são vivenciadas quer em regiões matrelineares assim como patrilineares em que a mulher, no processo de cessão por herança de terra, perde o seu direito de terra a nível das comunidades em que ela reside", explica Jordão Matimula Júnior.
 
Campanha
 
Para evitar desigualdade no acesso à terra e incentivar a cada vez mais a mulher na produção agrícola, a AENA lançou recentemente em Nampula uma campanha denominada "Governação de Terras para as Mulheres", com a duração de dois anos, explica Matimula Júnior.
 
Matimula Júnior  explica que a campanha tem como objetivo "influenciar aos tomadores de decisão para que a mulher tenha o direito de uso de terra na proporção igual aos homens."
 
S. Lutxeque
 
Entretanto, o Governo diz que está e vai continuar a atribuir terras às mulheres na província. O número de concessões de terras a mulheres tem estado a subir, nos últimos anos, na província de Nampula, no âmbito do programa "Terra Segura", afirma o chefe provincial de Geografia e Cadastro, na direção da Terra, Ambiente e Desenvolvimento rural, Cristóvão Macário.
 
Segundo Macário, "os números são satisfatórios". O chefe provincial assegura que no último levantamento realizado em 2018 verificou-se cerca de 7.500 parcelas de atribuição de terras "só para mulheres em alguns distritos, nomeadamente Rapale, Ribáuè, Malema, Lalaua e Mecuburi, no âmbito do Sustenta".
 
Este ano, segundo as autoridades governamentais, serão registados e oferecidos - a homens e mulheres - mais de 140 mil títulos de uso e aproveitamento de terra, nos distritos costeiros de, Mossuril, Mogincual, Nacala-a-velha, Monapo e Memba.

Copyright © Source (mentionné ci-dessus). Tous droits réservés. Le Land Portal distribue des contenus sans la permission du propriétaire du copyright sur la base de la doctrine "usage loyal" du droit d'auteur, ce qui signifie que nous affichons des articles de presse pour des fins d'information non commerciales. Si vous êtes le propriétaire de l'article ou d'un rapport et que vous souhaitez qu'il soit retiré, s'il vous plaît nous contacter à hello@landportal.info et nous le supprimerons immédiatement.

Divers articles de presse liés à la gouvernance foncière sont publiés sur le Land Portal chaque jour par ses utilisateurs, à partir de diverses sources, telles que les agences de presse et d'autres institutions et individus, ce qui représente une diversité de positions sur tous les sujets. Le droit est à la source de l'article; la Land Portal Foundation n'a pas le droit de modifier ou de corriger l'article, ni d'endosser son contenu. Pour apporter des corrections ou demander la permission de republier ou toute autre utilisation de ce contenu, merci de contacter le titulaire du droit d'auteur.

Partagez cette page