FAO promove 15 dias de ativismo em defesa dos direitos das #MulheresRurais | Land Portal

Foto: Bioversity Internationa/Flickr(CC BY-NC-ND 2.0)

Campanha busca dar visibilidade a iniciativas que transformam a vida das mulheres do campo, indígenas, jovens e afrodescendentes.

Brasília - Pelos próximos 15 dias, a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) realiza a campanha #MulheresRurais, #MulheresComDireitos com o objetivo de dar visibilidade a iniciativas que transformam a vida das mulheres do campo, indígenas, jovens e afrodescendentes. 

A mobilização é uma iniciativa conjunta e colaborativa de alcance internacional, promovida pela FAO em parceria com 32 instituições governamentais, agências especializadas da ONU, centros educacionais e de pesquisa e entidades privadas em toda a América Latina e o Caribe. Desde 2016, tem funcionado como uma plataforma para a defesa dos direitos de mulheres rurais.

Ao longo dessas duas semanas, tratemos histórias de mulheres que enfrentam desafios, combatem as desigualdades e fazem a diferença. São mulheres promotoras da alimentação saudável, guardiãs da terra e de conhecimentos ancestrais, agricultoras e lideranças em suas comunidades, como Elismária Silva de Oliveira, a Mara, moradora do Assentamento Dois Riachões. A comunidade próxima à Ilhéus (BA) é considerada referência em práticas agroflorestais.

Confira seu relato:  

“Sou filha de camponeses. Meu pai faleceu, mas minha mãe continua na labuta. Eles sempre me ensinaram sobre a importância de produzir para comer, e comer bem, de buscar na roça o que precisamos para a nossa subsistência. Desde que eu vim para cá, tenho isso como base para minha vida e para a vida da minha filha. Eu tenho uma cozinha e sou responsável pela alimentação dos grupos aqui do assentamento. Nossa preocupação é servir um alimento bom, seguro e justo, para que as pessoas vejam que no campo se come bem, e comida saudável. Às vezes, quando vou à cidade, vejo que as pessoas ali muitas vezes não têm tempo para cozinhar, então comem os processados.

A comida reúne. Tem o poder de unir as pessoas e fazer com que elas compartilhem. 

Para mim, a transformação do alimento é o ato mais bonito que existe. A gente consegue passar energia, emoção e humildade também. As pessoas humildes compartilham, dividem. Aqui na comunidade a gente costuma trabalhar desta forma, no intuito de que as pessoas entendam que podem ter alimento de qualidade. O pé de mato que temos no quintal pode alimentar mais e melhor do que um pacotinho que compramos no supermercado.

Para mim, o ato de comer é libertador. Eu posso estar com mil e um problemas, mas, se eu estiver cozinhando, não me estresso com nada. E eu gosto de produzir alimento para muita gente. Lá em casa sempre saem umas panelonas de comida...

A comida tem esse poder transformador. A gente precisa voltar a sentir o cheirinho do alho e do arroz fritando na panela para “arrebanhar” os filhos, chamar os vizinhos, para ficar junto e partilhar. Aqui na comunidade eu brinco: “vamos juntar as panelas”. E aí a gente consegue conversar e falar da comida, dos problemas, contar histórias...

Alimento é vida!

Faz 3 anos que eu tenho essa cozinha. Desde que vim para cá, minha vontade era criar um espaço onde as famílias pudessem comer algo diferente, sem precisar ir à cidade. Estou caminhando aos pouquinhos com um projeto de restaurante e espero, em breve, oferecer um cantinho para servir uma tapioca, um pirãozinho, caldinho de aipim, escondidinho... Trazer as famílias à noite e nos fins de semana para se reunir e encontrar tudo o que precisam aqui mesmo. Um espaço para termos esse momento sempre foi um sonho de todo mundo.

Nossa comunidade também tem uma fábrica de chocolate, que pertence à 33 famílias, e a minha é uma delas. Tudo aqui é dividido, cada um tem sua função. Tem gente que cuida das estufas, tem a comissão de produção, responsável pelas áreas externas da comunidade. Eu participo do plantio, da colheita e da quebra do cacau. É uma unidade familiar, então todo mundo tem que trabalhar. Talvez amanhã eu vá para a coça quebrar cacau...”.

Fortalecendo o sistema cabruca 

Ao longo de 5 meses, a comunidade de Elismáriaparticipou das atividades de construção colaborativa do projeto “Conservação da Mata Atlântica por meio do manejo sustentável de paisagens agroflorestais com cacaueiras”. A iniciativa é fruto de parceria entre a FAO no Brasil e a Comissão Executiva do Plano da Lavoura Cacaueira do Ministério da Agricultura e Pecuária (Ceplac/Mapa) e tem o apoio do Instituto Arapyaú.

Com investimentos de 4,7 milhões de dólares do Fundo Global para o Meio Ambiente (GEF), o projeto pretende promover a conservação da Mata Atlântica, a inclusão produtiva e a melhoria da qualidade de vida das populações rurais no sul da Bahia. A expectativa é atender 3 mil agricultoras e agricultores da região, revitalizar 50 mil hectares de lavouras de cacau e transformar 1,6 milhões de hectares de áreas produtivas.

A iniciativa também busca dar visibilidade ao sistema cabruca, um modo de cultivo tradicional que utiliza a sombra de árvores nativas para a produção de cacau. 

Copyright © Source (mentioned above). All rights reserved. The Land Portal distributes materials without the copyright owner’s permission based on the “fair use” doctrine of copyright, meaning that we post news articles for non-commercial, informative purposes. If you are the owner of the article or report and would like it to be removed, please contact us at hello@landportal.info and we will remove the posting immediately.

Various news items related to land governance are posted on the Land Portal every day by the Land Portal users, from various sources, such as news organizations and other institutions and individuals, representing a diversity of positions on every topic. The copyright lies with the source of the article; the Land Portal Foundation does not have the legal right to edit or correct the article, nor does the Foundation endorse its content. To make corrections or ask for permission to republish or other authorized use of this material, please contact the copyright holder.

Share this page