'Dependência' europeia de soja transgênica desmata América Latina, diz Greenpeace | Land Portal | Securing Land Rights Through Open Data

Paris, 11 Jun 2019 (AFP) - Comer ovos e carne de frango ou porco na Europa aumenta o desmatamento no Brasil e Argentina, em consequência da importação maciça de soja transgênica desses países para alimentar animais, denunciou nesta terça-feira (11) o Greenpeace França. 

"No Brasil e na Argentina, mais de 95% da soja produzida é geneticamente modificada", indica um informe da ONG, que mostra também que mais da metade da soja que a UE utiliza é importada desses dois países (37% do Brasil, 29% da Argentina, 15% dos Estados Unidos e 19% do resto do mundo). 

"O cultivo da soja nesses dois países leva a devastar suas florestas com o objetivo de alimentar os animais, especialmente na Europa", resume à AFP a autora do informe, Cécile Leuba, encarregada de Florestas para o Greenpeace. 

No estudo, com o título "Apaixonada por carne, Europa alimenta a crise climática por sua dependência da soja", o Greenpeace indica que 87% desse grão importado para a UE é destinado à alimentação animal. 

Do total das necessidades de soja da União Europeia, três quartos são destinados à criação industrial de frangos ou galinhas poedeiras (50%) ou de porcos (24%). As vacas leiteiras consomem 16% da soja importada e os bovinos cuja carne é destinada ao consumo, 7%. 

"O que denunciamos é que se utiliza dois pesos e duas medidas na União Europeia. Por um lado, proibi-se os OGM e muitos pesticidas, e por outro se autoriza a importação de soja transgênica cultivada com pesticidas proibidos na Europa", aponta Cécile Leuba. 

"E o que queremos mostrar aos europeus é que em seu consumo de carne, ovos ou produtos lácteos se esconde o desmatamento, porque a maioria dos animais de criação têm soja em sua ração alimentar diária", acrescenta. 

Segundo o cálculo do Greenpeace, para obter 100 gramas de peito de frango se necessita 109 gramas de soja. Para a mesma quantidade de costela de porco, são requeridas 51 gramas de soja. 

A produção de soja no Brasil "mais que quadruplicou nestes últimos 20 anos", diz o informe. 

- Reduzir 80% do consumo na Europa -Se a Amazônia está "relativamente protegida desta expansão" graças à moratória negociada em 2006 entre ONGs, empresas e autoridades brasileiras, o cultivo de soja se desenvolveu nas savanas e florestas do Cerrado, que "perderam metade de sua vegetação original". 

A região do 'Gran Chaco', compartilhada entre Argentina, Bolívia e Paraguai, "também sofre uma forte pressão devido à expansão agrícola", aponta o estudo. 

Desde 1990, o uso de pesticidas por unidade de superfície "aumentou mais de 170% na Argentina e no Brasil", estima o Greenpeace, e "mais de um terço dos pesticidas permitidos no Brasil não seriam autorizados pela UE", principalmente o carbofurano e paraquat, assim como atrazina e imazethapyr na Argentina. 

No entanto, a ONG considera impossível que a UE ou a França deslocalizem culturas não OGM para o velho continente para compensar. 

Somente na França, para produzir as 3,5 milhões de toneladas de soja importadas a cada ano (incluindo 2 milhões do Brasil), seriam necessários outros 11.980 km2, ou seja, quase todas as terras agrícolas de Morbihan, Côtes d'Armor e do Finistère somadas.

E para reduzir as emissões de gases do efeito estufa, a ONG defende uma "transformação do sistema agrícola" através da redução do consumo e produção de proteínas animais. 

"Na Europa Ocidental, onde o consumo de carne e produtos lácteos é quase o dobro da média global, esse consumo deve ser reduzido em cerca de 80% até 2050", diz o Greenpeace. 

Share this page

Copyright © Source (mentioned above). All rights reserved. The Land Portal distributes materials without the copyright owner’s permission based on the “fair use” doctrine of copyright, meaning that we post news articles for non-commercial, informative purposes. If you are the owner of the article or report and would like it to be removed, please contact us at hello@landportal.info and we will remove the posting immediately.

Various news items related to land governance are posted on the Land Portal every day by the Land Portal users, from various sources, such as news organizations and other institutions and individuals, representing a diversity of positions on every topic. The copyright lies with the source of the article; the Land Portal Foundation does not have the legal right to edit or correct the article, nor does the Foundation endorse its content. To make corrections or ask for permission to republish or other authorized use of this material, please contact the copyright holder.