Mais de 2 milhões de cambojanos podem perder terra por microcréditos abusivos | Land Portal
Bangcoc, 7 ago (EFE).- Mais de 2,3 milhões de cidadãos do Camboja correm risco de perder suas propriedades por dívidas feitas após empréstimos concedidos por instituições de microcrédito em condições abusivas, denunciaram nesta quarta-feira grupos de ativistas. 
 
No final de 2018, o volume destes créditos no Camboja superava US$ 8 bilhões, de acordo com um estudo das organizações locais de defesa dos direitos humanos Licadho e STT, que denunciaram violações de direitos humanos. Essa quantia faz com que o país tenha a maior proporção do mundo de microcréditos por pessoa, com cerca de US$ 3.370, valor maior do que o dobro do PIB per capita do país, que em 2017 era de US$ 1.384. 
 
As duas organizações denunciam que as pessoas que fazem empréstimos concedem os créditos com elevados juros e títulos de propriedade como garantia e que vão atrás de clientes vulneráveis. Segundo o estudo, as entidades de microcrédito "pressionam" os clientes em zonas rurais para que se desfaçam das terras mais produtivas para pagar a dívida. Também asseguram que o pagamento da dívida leva às famílias a forçar menores de idade a trabalhar, empurra outros membros a emigrar e reduz o orçamento para a compra de comida. 
 
Em 2017, o governo cambojano fixou um máximo de 18% de juros na concessão de microcréditos - que até então oscilava entre 20% e 30% - para os quais os credores respondiam com a cobrança de comissões antecipadas, segundo a investigação. 
 
A maioria dos microcréditos é concedido por entidades que contam como parceiros ou acionistas em Bancos Centrais e agências de desenvolvimento de países como Áustria, Alemanha, Espanha, França, Holanda e Reino Unido, e de organismos internacionais como o Banco Asiático para o Desenvolvimento e o Banco Mundial. 
 
As duas organizações pediram a estes países e instituições que cooperem com o governo cambojano para estabelecer mecanismos de pagamento de dívida e evitar que as pessoas que fazem empréstimos usem os títulos de propriedade como garantia. EFE 

 

Copyright © Source (mentioned above). All rights reserved. The Land Portal distributes materials without the copyright owner’s permission based on the “fair use” doctrine of copyright, meaning that we post news articles for non-commercial, informative purposes. If you are the owner of the article or report and would like it to be removed, please contact us at hello@landportal.info and we will remove the posting immediately.

Various news items related to land governance are posted on the Land Portal every day by the Land Portal users, from various sources, such as news organizations and other institutions and individuals, representing a diversity of positions on every topic. The copyright lies with the source of the article; the Land Portal Foundation does not have the legal right to edit or correct the article, nor does the Foundation endorse its content. To make corrections or ask for permission to republish or other authorized use of this material, please contact the copyright holder.

Share this page