Território e identidade: conflitos socioambientais na comunidade quilombola onze negras Cabo de Santo Agostinho/PE | Land Portal | Securing Land Rights Through Open Data
PRODEMA

Resource information

Date of publication: 
January 2011
Resource Language: 
Pages: 
109
License of the resource: 
Copyright details: 
Universidade Federal de Pernambuco
Na sociedade contemporânea são grandes as preocupações frente às alterações ambientais e a maneira como as relações humanas estão entrelaçadas a esta problemática. O acelerado desenvolvimento científico e tecnológico baseado na utilização de recursos da biodiversidade e no conhecimento de comunidades tradicionais nos leva a discutir a atual realidade. Cabe questionar os padrões de desenvolvimento a serem adotados e o envolvimento da região, de modo que a utilização desses recursos se dê em bases sustentáveis, que garantam desenvolvimento socioeconômico e a conservação do meio ambiente, preservando assim a identidade e o espaço vivido das comunidades tradicionais. É nesta perspectiva de estudo que esta pesquisa de baseia, trilhando seus esforços na compreensão da temática dos conflitos socioambientais, território e identidade. A pesquisa se desenvolveu com base no conceito de conflito socioambiental de Acselrad (1995). Entende-se conflito socioambiental como um conflito social em torno do modo de apropriação e uso dos elementos da natureza, envolvendo relações de poder onde os sujeitos envolvidos constroem uma dimensão ambiental para suas lutas. A comunidade quilombola Onze Negras, Cabo de Santo Agostinho-PE, surge, com referencial empírico, como um espaço de conflitos a partir do qual foi possível destacar alguns dos conflitos socioambientais existentes pela perspectiva da própria comunidade, que vê nestes conflitos a perda de sua identidade, aspecto trabalhando aqui segundo os princípios de Castells (1999), que define identidade como fonte de significado e experiência de um povo. Ela permite a um indivíduo localizar-se em um dado sistema social e ser localizado por este. Com isto há também uma invasão do território, que é trabalhado no contexto de Haesbaert (2005), que enfatiza que o território inspira a identificação (positiva) e a efetiva apropriação ; assim, em qualquer acepção, tem a ver com poder, mas não apenas com o tradicional poder político . Diz respeito a poder tanto no sentido mais concreto, de dominação, quanto no sentido mais simbólico, de apropriação. Na visão de Raffestin (1993), o território se forma a partir do espaço e é o resultado de uma ação conduzida por um ator sintagmático (ator que realiza um programa) em qualquer nível. Ao se apropriar de um espaço, concreta ou abstratamente, o ator territorializa o espaço. Diante dessa conjuntura, esta pesquisa teve como objetivo analisar as condições em que se processam os conflitos socioambientais na comunidade quilombola Onze Negras, identificando os atores envolvidos e como os mesmos influenciam a perda de território e identidade da comunidade. O estudo caracterizou a Comunidade Quilombola Onze Negras e identificou, junto a comunidade, os principais conflitos existentes, os atores envolvidos e como se dá a participação social na resolução dos mesmos. Em um enfoque dialético, a metodologia da pesquisa se estruturou na Triangulação de Métodos (Minayo, 1994), estabelecendo abordagens qualitativas com enfoque interdisciplinar na análise e discussão dos resultados. O estudo, de um modo geral, evidenciou que a produção social do espaço possui profundos rebatimentos nos conflitos socioambientais e que o território quilombola vem sendo invadido pela pressão das empresas que se instalam no seu entorno. Ainda assim, a comunidade preza por sua identidade e a participação social é efetiva na busca da resolução dos conflitos existentes.

Authors and Publishers

Author(s), editor(s), contributor(s): 
Elielton Alves de Albuquerque
Publisher(s): 

Share this page