Luta, suor e terra | Land Portal | Securing Land Rights Through Open Data
UFPE

Resource information

Date of publication: 
February 2016
Resource Language: 
Pages: 
202
License of the resource: 
Copyright details: 
Universidade Federal de Pernambuco

Esse trabalho analisa as inter-relações entre campesinato e etnicidade a partir de um olhar comparativo sobre as trajetórias de dois grupos que se reconhecem como etnicamente diferenciados no contexto rural brasileiro. Compostos principalmente por famílias que tem buscado se afirmar como agricultoras, o Povo Indígena Tingüi-Botó (Feira Grande) e a Comunidade Quilombola Guaxinim (Cacimbinhas) estão localizados entre as zonas agrestina e sertaneja de Alagoas. O sertão tem sido associado historicamente à policultura e é palco da maioria das reivindicações étnicas indígenas e, em grande parte, quilombolas da região Nordeste. Os grupos não estão diretamente relacionados entre si. Porém, realizamos um estudo sobre a interface entre as problemáticas camponesas, indígenas e quilombolas, levando em consideração as histórias de constituição dessas comunidades, oriundas de um processo de expropriação territorial sobre índios e negros, em benefício do latifúndio; acompanhando e refletindo sobre a inserção das mesmas no sistema produtivo regional; observando suas estratégias econômicas e as relações territoriais particulares de cada uma delas para perceber as especificidades e similitudes contidas no percurso de ambas. Por fim, analisamos as atuais estratégias dos grupos para se manterem enquanto povo/comunidade, acionando as políticas públicas diretamente voltadas para suas especificidades produtivas camponesas e étnicas, que inscrevem campos diferenciados de ação e oportunidade para os grupos. Essas trajetórias estão marcadas pelo compartilhamento de experiências entre indígenas e negros, porém as mobilizações identitárias dos grupos inscrevem modelos de atuação diferenciados e tem gerado também conquistas postas em termos de especificidades étnicas, apesar de terem a luta pela terra como ponto de partida. Nesse sentido, procuramos um diálogo entre teorias antropológicas e da Ciência Social brasileira estabelecidas como linhas investigativas e teóricas diferenciadas, tais como a questão negra e indígena no Brasil; campesinato e etnicidade.

Authors and Publishers

Author(s), editor(s), contributor(s): 
Ana Laura Loureiro Ferreira
Publisher(s): 

Share this page