Discussão em torno de uma enxada: Reflexões da reforma agrária através do documentário Torre Bela | Land Portal | Protegendo os direitos da terra através de dados abertos
19 de setembro de 2019, 17h00
 
Sala de Seminários (Piso 2), CES | Sofia
 
Comentadores: Carlos Nolasco, Pedro Hespanha, Pedro Réquio e Pierre Marie | Moderação: Andrés Spognardi
 
 
Resumo
 
Na sequência do 25 de Abril de 1974 e da revolução em curso, iniciou-se no sul do país a ocupação de terras num processo de Reforma Agrária. Rapidamente o espaço do latifundismo foi substituído por unidades coletivas de produção, e por todas as dinâmicas políticas e sociais que lhe estão associadas. Em face da ausência de uma cultura cooperativista, e perante persistentes ataques políticos, o processo rapidamente revelou incongruências entre uma ideologia coletivsta e o individualismo dos atores, entre uma dinâmica política ao centro e uma outra de esquerda, entre o texto constitucional e à prática governativa. Em 1977 começam as entregas das primeiras reservas aos antigos proprietários e começa a desvanecer-se o sonho de um efetivo modelo coletivsta de reforma agrária.
 
Torre Bela é o filme, documentário, que retrata essa ascensão e queda do processo de reforma agrária em Portugal. O filme inicia-se a 23 de abril de 1975, uma terça-feira, e termina a 7 de junho desse mesmo ano, uma sexta-feira. Durante esses quase três meses, vemos emoção, esperança, intervenção, acão, e depois, como que o prenúncio do fim, frustração e cansaço. Mas vemos mais coisas: um Portugal rural, saído dum regime de 48 anos de autoritarismo, que de repente grita a terra é de quem a trabalha, que fala em coletivismo e comunismo; um Portugal que inicia o seu processo de democratização, e que aqui mostra o rosto encantado da utopia em contradição com as contingências da realidade. Torre Bela é um filme de Thomas Harlan, realizado nos campos do Ribatejo, e que esteve presente em Cannes, na secção oficial, em 1977, sobre homens e mulheres, operários agrícolas, desapossados de terra, que ocuparam a propriedade do Duque de Lafões e criaram uma unidade coletiva de produção.
 
Este seminário está estruturado em duas partes: na primeira será projetado o documentário Torre Bela, de Thomas Harlan; na segunda, haverá uma mesa redonda de discussão e debate aberto ao público.
 
 
Organização: Andrés Spognardi e Carlos Nolasco (CES), Pedro Réquio e Pierre Marie (CES /CD 25 de Abril)
 
 

Compartilhe esta página