Índios do Equador declaram território como 'ser vivo' para evitar exploração | Land Portal | Protegendo os direitos da terra através de dados abertos
QUITO - Índios amazônicos do Equador declararam nesta quinta-feira como "selva viva" seu território com o objetivo de que o governo reconheça o local como um "ser vivo" com direitos. O objetivo da iniciativa é evitar a exploração de seus recursos e pedir novas medidas de conservação.
 
Em uma cerimônia realizada em Quito, a capital, nativos kichwas de Sarayaku, a cerca de 200 km ao sudeste, lançaram esta proposta porque pretendem conservar de forma sustentável suas terras e a relação material e espiritual que têm com a selva.
 
Os índios declararam 135 mil hectares de bosque como "kawsak sacha (na língua kichwa), que significa selva viva, ser vivo e sujeito consciente de direitos", afirmou, ao ler a resolução, Miriam Cisneros, presidente da comunidade Sarayaku.
 
Ela acrescentou que "kawsak" visa incluir os seres do mundo animal, vegetal, mineral, espiritual e cósmico" que habitam a selva e se relacionam com os seres humanos.
 
Embora o Equador reconheça em sua constituição que a natureza tem o direito que se "respeite plenamente a sua existência", para Yaku Viteri, do povo Sarayaku, "o governo e as indústrias transnacionais não entendem" o que isso implica.
 
"Queremos conquistar que nosso território esteja seguro, que o governo (...) garanta nosso território. Ao garantir nosso território, garante nossas vidas, nossa forma de viver, nossa filosofia, nosso 'sumak kawsaw' (bem viver)", comentou Viteri.
 
Vestindo cocares de penas coloridas e colares de contas brilhantes, homens e mulheres de Sarayaku dançaram e brindaram com uma bebida tradicional pela declaração com a qual esperam mover suas terras para longe das atividades minerais e petroleiras.
 
Documento pede novas formas de conservação
 
"Nós propomos uma alternativa ao modelo de desenvolvimento tradicional que sempre foi considerado para a Amzônia, aos territórios dos povos indígenas, como zona de extração, como zona de exploração", disse o líder José Gualinga.
 
O documento, lido diante de cerca de 300 pessoas, aconselha o governo do presidente Lenín Moreno a buscar novas formas de proteção e conservação dos territórios habitados pelo povos indígenas.
 

Compartilhe esta página

Copyright © da fonte (mencionado acima). Todos os direitos reservados. O Land Portal distribui materiais sem a permissão do proprietário dos direitos autorais com base na doutrina de “uso justo” dos direitos autorais, o que significa que publicamos artigos de notícias para fins informativos e não comerciais. Se você é o proprietário do artigo ou relatório e gostaria que ele fosse removido, entre em contato conosco pelo endereço hello@landportal.info e removeremos a publicação imediatamente.

Várias notícias relacionadas à governança da terra são publicadas no Land Portal todos os dias pelos nossos usuários, partindo de várias fontes, como organizações de notícias e outras instituições e indivíduos, representando uma diversidade de posições sobre cada tópico. Os direitos autorais estão na origem do artigo; a fundação não tem o direito legal de editar ou corrigir o artigo, nem endossar o seu conteúdo. Para fazer correções ou solicitar permissão para republicar ou outro uso autorizado deste material, entre em contato com o detentor dos direitos autorais.