Skip to main content

Atualizado em 17 de junho de 2022.

 

Photo by UNICEF Ethiopia. CC BY-NC-ND 2.0

Créditos fotográficos: Uma mulher vai buscar água a um ponto de água na região da Somália, na Etiópia, Foto da UNICEF Etiópia, Licença: CC BY-NC-ND 4.0 Deed | Atribuição-NãoComercial-NãoDerivs 4.0 Internacional

Por Anne Hennings, revisada por Enni Kallio (JPO em Gestão de Programas de Propriedade de Terra e Gênero na UNCCD), Francesca Romano (Oficial de Terras da FAO) e Aurelie Bres (Oficial de Terras e Águas da FAO).

Este resumo foi preparado com o apoio financeiro da FAO e em colaboração técnica com o Secretariado da UNCCD e a FAO.


Um terço dos solos do mundo - incluindo terras agrícolas, florestas, serras e solos urbanos - já estão degradados e estima-se que este número possa aumentar para quase 90% até 2050. Geralmente, a erosão do solo é entendida como a remoção acelerada da camada superficial da terra através da água, vento ou cultivo, resultando na sua degradação. Além disso, a degradação do solo também inclui mudanças deteriorantes nas propriedades biofísicas e químicas do solo, da água e da biodiversidade. A degradação da terra ocorre naturalmente, mas as pesquisas mostram que a degradação da terra é cada vez mais causada direta ou indiretamente por atividades humanas insustentáveis, notadamente desmatamento, sobrepastoreio, mineração ou agricultura intensiva . [1] Isto tem impulsionado a perda da biodiversidade, a desertificação e levado a um aumento significativo das emissões de gases de efeito estufa.[2]
  
Evitar, refrear e reverter a degradação da terra ao redor do mundo é fundamental para sustentar a subsistência, a segurança alimentar, a conservação da biodiversidade, bem como a realização das metas climáticas.

A Neutralidade da Degradação da Terra (LDN - sigla em inglês) foi definida pela UNCCD como "um estado em que a quantidade e a qualidade dos recursos da terra necessários para apoiar as funções e serviços dos ecossistemas e aumentar a segurança alimentar permanecem estáveis ou aumentam dentro de escalas específicas de tempo, espaço e ecossistemas"[3]. A estrutura conceitual da LDN incentiva a implementação de várias medidas que equilibram as perdas de capital natural baseado na terra e os ganhos através da restauração do solo ou da gestão sustentável da terra. Seguindo uma abordagem centrada nas pessoas com ênfase na governança responsável e inclusiva da terra, a LDN contribui para um ambiente propício para combater a degradação da terra e oferece múltiplos benefícios para proteger tanto os ecossistemas quanto a resiliência da comunidade. Em 2022, mais de 129 países se comprometeram a estabelecer metas nacionais voluntárias de LDN no âmbito da UNCCD. Como a posse segura é fundamental para o desenvolvimento sustentável e terras saudáveis e produtivas, as legislações nacionais de governança da terra podem ser revistas e adaptadas a fim de apoiar a gestão e restauração responsáveis da terra.

 

Estrutura jurídica e políticas internacionais

Em 2015, a Agenda para o Desenvolvimento Sustentável de 2030 adotou a Neutralidade da Degradação da Terra (LDN - sigla em inglês) como meta central sob o Objetivo 15 de Desenvolvimento Sustentável (Vida na Terra). Especificamente, a meta 15.3. visa atingir a LDN em todo o mundo. A UNCCD adotou a LDN como meta principal no mesmo ano e desde então tem apoiado muitos países no estabelecimento de metas nacionais voluntárias para aumentar a segurança alimentar, contribuir para a mitigação e adaptação às mudanças climáticas. Juntamente com o Mecanismo Global, a UNCCD estabeleceu o Programa de Definição de Metas LDN que ajuda os países a avaliar, medir e alcançar seus compromissos com a LDN. Até hoje, 129 países se comprometeram a estabelecer as metas LDN, das quais mais de 100 estabeleceram com sucesso seus objetivos voluntários[4].

Southern Africa drought, Mozambique, 2016 By IFRC Attribution-NonCommercial-NoDerivs 2.0 Generic (CC BY-NC-ND 2.0)
Southern Africa drought, Mozambique, 2016
Foto de IFRC,  (CC BY-NC-ND 2.0) 

 

Em 2019, os signatários(as) da UNCCD adotaram uma decisão histórica sobre a posse da terra. A Decisão 26/COP14 reconhece a importância da posse segura da terra para enfrentar a desertificação, a degradação do solo e a seca (DLDD - sigla em inglês), e para melhorar o bem-estar e a subsistência humana. Nesta decisão, as Partes solicitaram especificamente ao Secretariado da UNCCD, em colaboração com a FAO, que desenvolvesse um guia técnico sobre como integrar as Diretrizes Voluntárias sobre a Governança Responsável da Posse de Terra, Pesca e Florestas no Contexto da Segurança Alimentar Nacional (VGGT - sigla em inglês) na Implementação da Convenção das Nações Unidas de Combate à Desertificação e à Neutralidade da Degradação da Terra (LDN - sigla em inglês). O guia técnico delineia nove caminhos orientados à ação para aumentar a segurança da posse através de iniciativas LDN, de acordo com os contextos nacionais e locais. Na 15ª Conferência das Partes, as Partes da UNCCD reconheceram que é necessário realizar mais trabalho, seja dentro dos esforços de política ou programação, para integrar a posse da terra na implementação da Convenção e pediram mais capacitação e apoio para transformar o guia técnico de orientação para ação prática.

Desafios e riscos

Entre os principais obstáculos à Neutralidade da Degradação da Terra estão o desmatamento para extração de madeira, de lenha, ou a expansão de terras agrícolas, áreas de pastagem e cidades, drenagem dos mangues, atividades de mineração, agricultura intensiva e desenvolvimento de infra-estrutura. As iniciativas da LDN muitas vezes enfrentam acesso limitado a recursos financeiros, falta de conhecimento e experiência, bem como incentivos públicos e privados insuficientes[5]. Do ponto de vista da governança, a realização da LDN é desafiada por reivindicações crescentes e frequentemente disputadas sobre os recursos da terra e pode resultar em grandes conflitos no uso da mesma[6].

Dito isto, a governança sustentável da terra está intimamente ligada à consecução e viabilização da LDN. Em primeiro lugar, considerar a governança da posse permite lidar com reivindicações concorrentes sobre recursos naturais. Em segundo lugar, a insegurança na posse da terra tem sido destacada como um grande desafio para implementar medidas LDN, incluindo práticas de restauração[7]. As descobertas mostram como os direitos de posse seguros incentivam os proprietários(as) e usuários(as) a investir e se comprometer com atividades sustentáveis, tais como conservação do solo, drenagem, terraplenagem ou agroflorestação, por exemplo.

Os resultados das pesquisas também demonstram que a incorporação do VGGT nas iniciativas LDN pode proteger os direitos de posse legítimos em alguns casos[8]. Por outro lado, em contextos de distribuição desigual de terras, direitos de posse disputados ou pouco claros, as medidas LDN podem aumentar a pressão e a competição por terras, florestas e recursos hídricos[9].

Direitos de terras comunitárias, costumeiras e indígenas

As comunidades e as famílias diretamente afetadas pela degradação da terra são mais propensas a experimentar uma diminuição da produtividade agrícola e da escassez de água, perda de meios de subsistência, pobreza e insegurança alimentar[10]. Elas também são mais vulneráveis a desastres e eventos climáticos extremos, por exemplo, secas, enchentes, tempestades ou incêndios. Particularmente, comunidades pobres, mulheres, jovens e povos indígenas que dependem diretamente da terra para seu bem-estar e subsistência, são afetados(as) pelos efeitos da degradação da terra.

A Declaração do Líder de Glasgow sobre Florestas e Uso da Terra (2021, COP26), bem como o Fórum Global para Alimentação e Agricultura (GFFA 2022) implicam compromissos de alto nível para respeitar os direitos dos Povos Indígenas e reconhecer os direitos de posse legítimos, incluindo a posse costumeira, como consistentes com a estrutura jurídica nacional. Ambos também enfatizam a importância do acesso seguro e a preços acessíveis à terra e aos recursos naturais e que os grupos vulneráveis devem participar e se beneficiar da conservação, do manejo sustentável e das medidas de restauração. Da mesma forma, as conclusões da TMG (Töpfer, Müller, Gaßner GmbH - sigla em alemão) sobre dois projetos-piloto de pesquisa no Benin e no Quênia concluem que a LDN e as iniciativas de conservação podem contribuir para salvaguardar os direitos de posse[11]. Pelo contrário, os relatórios também ressaltam como a falta de consideração das questões de posse pode inadvertidamente prejudicar os direitos territoriais das comunidades.

Foi reconhecido que as práticas costumeiras e o conhecimento dos povos indígenas e comunidades locais contribuem para reduzir, evitar ou reverter a degradação da terra[12]. Mais de 360 milhões de Povos Indígenas e comunidades locais vivem em áreas protegidas, gerenciando mais de um sexto do carbono nas florestas do Sul Global[13]. Em muitos casos, o manejo sustentável da terra baseado na comunidade contempla a degradação da terra. No entanto, essas iniciativas não foram reconhecidas pelos governos e formuladores de políticas e ainda não tiveram acesso a apoio técnico e financeiro[14].

Mudança climática e biodiversidade

A terra desempenha um papel central nas crises relacionadas à perda de biodiversidade e à mudança climática. Além da conservação da natureza, a inversão da degradação da terra tornou-se uma parte fundamental das estratégias de mitigação e adaptação às mudanças climáticas[15]. As metas e iniciativas da LDN contribuem e são influenciadas pela implementação de planos climáticos nacionais e vice-versa. As medidas de restauração da terra e dos ecossistemas contribuem para o aumento dos estoques de carbono, a contenção do aquecimento global, a redução do risco e intensidade dos desastres naturais, e para a recuperação da biodiversidade e da conectividade ecológica. Em conjunto com a governança responsável e o planejamento do uso da terra, as medidas de neutralidade de degradação da terra também fortalecem a resiliência das comunidades rurais através da garantia e melhoria dos serviços ecossistêmicos[16].

Formation, Recherche, et Environnement dans la Tshopo (FORETS), Democratic Republic of Congo
Formation, Recherche, et Environnement dans la Tshopo (FORETS), Democratic Republic of Congo 
Foto de Axel Fassio/CIFOR (CC BY-NC-ND 2.0)

Gênero, degradação da terra e posse

Foi estabelecido que as mulheres são desproporcionalmente afetadas pelos impactos da desertificação, degradação da terra e seca. A seca e a degradação da terra tendem a aumentar a carga do trabalho doméstico e dos cuidados não-remunerados, suportado pelas mulheres e meninas, e a afetar sua saúde através da escassez de alimentos e água. No entanto, as mulheres enfrentam mais obstáculos para participar ativamente na tomada de decisões para enfrentar a degradação da terra e atividades afins [17]. Isto está intimamente ligado ao acesso desigual à terra, água, crédito, serviços e treinamento, à limitada participação feminina na tomada de decisões e à distribuição desigual dos benefícios. A Estrutura Conceptual Científica da UNCCD para a Neutralidade da Degradação da Terra enfatiza a inclusão, a participação e a sensibilidade de gênero no projeto, planejamento, implementação e monitoramento das iniciativas LDN.  Em muitos ambientes, as iniciativas LDN abordam a desigualdade de gênero, incorporando grupos ou associações de mulheres reconhecidas localmente. No entanto, a programação da LDN ainda não racionalizou a capacidade de resposta de gênero, levando em conta as disparidades existentes entre os sexos. [18] Além disso, o alinhamento dos planos de gênero da LDN com esquemas locais e nacionais ou a introdução de mecanismos de financiamento sensíveis ao gênero, oferecem espaços de entrada para projetos LDN sensíveis às questões de gênero.

Inovações na degradação da terra e na posse

As iniciativas da LDN estão cada vez mais presentes nas agendas políticas globais e regionais. Vários programas e iniciativas têm sido desenvolvidos para promover a neutralidade da degradação da terra a nível local, nacional e global. Especificamente, o Fundo de Neutralidade da Degradação da Terra procura reunir investidores públicos e privados. Vários países se comprometeram a lutar contra a desertificação, degradação da terra e seca (DLDD - sigla em inglês). Em uma linha semelhante, a iniciativa africana liderada pela Grande Muralha Verde de  Sahara e Sahel (GGW - sigla em inglês) e a Iniciativa Verde do Oriente Médio visam combater a desertificação, restaurando ao todo 300 milhões de hectares de terra degradada até 2030[20]. Além disso, os projetos com um foco mais técnico vão desde o aumento da capacidade de retenção de água dos solos (desérticos) até fertilizantes produzidos localmente que reduzem as emissões e, ao mesmo tempo, aumentam o rendimento.

Com relação à melhoria da disponibilidade de dados sobre o nexo LDN-tenure, a WOCAT tem uma parceria com a UNCCD desde 2020. Uma força-tarefa foi criada, assim como o projeto Tools4LDN para assegurar um intercâmbio regular em bancos de dados relacionados ao LDN, coleta de dados e ferramentas para desenvolver um módulo padronizado. Isto inclui tanto indicadores biofísicos quanto socioeconômicos para futuros relatórios sobre a Neutralidade da Degradação da Terra.

***References

[1] FAO. 2019. Global Symposium on Soil Erosion. Key Messages. URL: https://landportal.org/library/resources/978-92-5-131684-9/global-symposium-soil-erosion-gser19 

[2] Montanarella, L. et al. 2018. The IPBES assessment report on land degradation and restoration. Secretariat of the Intergovernmental Science-Policy Platform on Biodiversity and Ecosystem Services, Bonn, URL: https://landportal.org/library/resources/unccd1072/ipbes-assessment-report-land-degradation-and-restoration;
IPCC. 2019. Climate Change and Land: an IPCC special report on climate change, desertification, land degradation, sustainable land management, food security, and greenhouse gas fluxes in terrestrial ecosystems. Summary for Policymakers, URL: https://landportal.org/library/resources/ecc26502/ipcc-special-report-climate-change-and-land;
FAO. 2021. The State of the World’s Land and Water Resources for Food and Agriculture – Systems at breaking point. Synthesis report 2021. Rome, URL: https://landportal.org/library/resources/state-world%E2%80%99s-land-and-water-resources-food-and-agriculture-%E2%80%93-systems-breaking 

[3] UNCCD. 2015. Decision 3/COP.12. Ankara.

[4] UNCCD. 2022. LDN target setting. URL: https://www.unccd.int/land-and-life/land-degradation-neutrality/projects-programmes/ldn-target-setting

[5] PCC. 2019. Climate Change and Land. Summary for Policymakers.

[6] Schulze, Katharina et al. 2021. How will land degradation neutrality change future land system patterns? A scenario simulation study. Environmental Science & Policy 124, 254-266. URL: https://landportal.org/library/resources/how-will-land-degradation-neutrality-change-future-land-system-patterns-scenario 

[7] Allen, C. et al. M. 2020. Delivering an enabling environment and multiple benefits for land degradation neutrality: Stakeholder perceptions and progress. Environmental Science & Policy 114:109-118, URL: https://landportal.org/library/resources/delivering-enabling-environment-and-multiple-benefits-land-degradation-neutrality and Verburg, P et al. 2019. Creating an Enabling Environment for Land Degradation Neutrality and its Potential Contribution to Enhancing Wellbeing, Livelihoods and the Environment. A Report of the Science-Policy Interface. Bonn. UNCCD, URL: https://landportal.org/library/resources/creating-enabling-environment-land-degradation-neutrality-and-its-potential 

[8] Orr, B.J. et al. 2017. Scientific Conceptual Framework for Land Degradation Neutrality. A Report of the Science-
Policy Interface. UNCCD, Bonn. URL: https://landportal.org/library/resources/unccd814/scientific-conceptual-framework-land-degradation-neutrality-report 

[9] FAO and UNCCD. 2022. Technical Guide on the Integration of the Voluntary Guidelines on the Responsible Governance of Tenure of Land, Fisheries and Forests in the Context of National Food Security into the Implementation of the United Nations Convention to Combat Desertification and Land Degradation Neutrality. Rome, Bonn. URL: https://landportal.org/library/resources/978-92-5-136092-7/technical-guide-integration-voluntary-guidelines-responsible 

[10] United Nations Convention to Combat Desertification, 2022. The Global Land Outlook, 2nd edition. UNCCD, Bonn, URL: https://landportal.org/library/resources/global-land-outlook-0 

[11]  TMG. 2021. GSW2021: Benin Country Report. Working Paper. Berlin. URL: https://landportal.org/library/resources/responsible-land-governance-ldn-programmes and TMG. 2021. GSW2021: Kenya Country Report. Working Paper. Berlin. URL: https://landportal.org/library/resources/responsible-land-governance-ldn-programmes-0 

[12] Montanarella, L., et al. 2018. The IPBES assessment report on land degradation and restoration.

[13] Rights and Resource Initiative. 2020. Rights-Based Conservation: The path to preserving Earth’s biological and cultural diversity? Washington DC, URL: URL: https://landportal.org/library/resources/rights-based-conservation-path-preserving-earth%E2%80%99s-biological-and-cultural and Frechette, A., Ginsburg, C. & Walker, W. 2018. A Global Baseline of Carbon Storage in Collective Lands. Washington D.C, Rights and Resource Initiative, URL: https://landportal.org/library/resources/global-baseline-carbon-storage-collective-lands 

[14] Van Haren, N. et al. 2019. Contribution of community-based initiatives to the sustainable development goal of Land Degradation Neutrality. Environmental Science & Policy 94:211-219.

[15] United Nations Convention to Combat Desertification, 2022. The Global Land Outlook, 2nd edition. UNCCD, Bonn.

[16] IPCC. 2019. Climate Change and Land. Summary for Policymakers. and Global Mechanism of the UNCCD. 2016. Achieving Land Degradation Neutrality at the country level Building blocks for LDN target setting. Bonn. URL: https://landportal.org/library/resources/isbn-978-92-95110-31-1-e-copy-isbn-978-92-95110-32-8-hard-copy/achieving-land 

[17] Aguilar, Lorena. 2022. Study on the differentiated impacts of desertification, land degradation and drought on women and men. Summary for decision makers. UNCCD. Abijan. URL: https://landportal.org/library/resources/land-life-our-work-impact-science-news-stories-events-convention-differentiated and Collantes, V. et al. 2018. Moving towards a twin-agenda: gender equality and land degradation neutrality. Environmental Science and Policy 89, pp 247-253, URL: https://landportal.org/library/resources/moving-towards-twin-agenda-gender-equality-and-land-degradation-neutrality  

[18] Okpara, UT et al. 2019. Gender and land degradation neutrality: A cross‐country analysis to support more
equitable practices. Land Degradation and Development 30: 11, pp. 1368-1378. URL: https://landportal.org/library/resources/gender-and-land-degradation-neutrality-cross-country-analysis-support-more 

[19] Anseeuw, W. & Baldinelli, G. 2020. Uneven Ground. Land Inequality at the Heart of Unequal Societies.
Synthesis Report. International Land Coalition. Rome. URL: https://landportal.org/library/resources/mokoro-75/land-inequality-heart-unequal-societies-research-findings-land 

[20] UNCCD. 2021. Great Green Wall Accelerator Technical brief. Edition N°1 September 2021. Bonn. URL: https://landportal.org/library/resources/great-green-wall-accelerator-technical-brief-edition-n%C2%B01 

Isenção de responsabilidade: Os dados apresentados no Land Portal são fornecidos por terceiros, e indicados como fonte ou fornecedores(as) de dados. A equipe do Land Portal  está constantemente trabalhando para garantir o mais alto padrão possível de qualidade e precisão dos dados, no entanto estas informações são por sua natureza aproximadas e podem conter algumas imprecisões. Os dados podem conter erros introduzidos pelo(s) fornecedor(es) de dados e/ou pela equipe do Land Portal.  Além disso, esta página permite comparar dados de diferentes fontes, mas nem todos os indicadores são necessariamente comparáveis estatisticamente. A Fundação Land Portal (A) abdica de toda responsabilidade na precisão, adequação ou integridade de quaisquer dados e (B) não se responsabiliza por quaisquer erros, omissões ou outros defeitos, atrasos ou interrupções em tais informações, ou por quaisquer ações tomadas em função deste material. Nem a Fundação Land Portal, nem qualquer de seus fornecedores e fornecedoras de dados, será responsável por quaisquer danos relacionados no uso do material aqui fornecido.