Alterações no clima este ano mostram necessidade de mais ações em 2023 | Land Portal

Foto: André Barreto/Flickr

Desastres climáticos destruíram vidas, infraestruturas e meios de subsistência; últimos oito anos podem ser os mais quentes já registrados; subida do nível do mar atingiu novo recorde, assim como derretimento das geleiras dos Alpes na Europa.

Este ano, os impactos da mudança climática induzida pelos seres humanos se intensificaram. Desastres climáticos como inundações extremas, calor e seca afetaram milhões de pessoas e custaram bilhões de dólares.

Segundo a Organização Meteorológica Mundial, OMM, esses fenômenos mostram claramente a necessidade de se fazer muito mais para reduzir as emissões de gases de efeito estufa. Além de fortalecer a adaptação às mudanças climáticas, por meio do acesso universal a alertas precoces.

Recorde de calor

A agência da ONU destaca que os últimos oito anos podem se converter nos mais quentes já registrados. Os números da temperatura global em 2022 serão divulgados em meados de janeiro.

Devido ao La Niña, agora em seu terceiro ano, 2022 não será o mais quente. Mas esse impacto de resfriamento será de curta duração e não reverterá a tendência de aquecimento de longo prazo causada por níveis recordes de gases de efeito estufa que retêm o calor na atmosfera.

Este será o décimo ano consecutivo em que as temperaturas atingiram pelo menos 1°C acima dos níveis pré-industriais. A probabilidade de, temporariamente, quebrar o limite de 1,5°C do Acordo de Paris está aumentando com o tempo.

Para 2023, a previsão é que a temperatura global fique entre 1,08 °C e 1,32 °C, acima da média do período pré-industrial.

Paquistão, China, Europa, Américas e África

O secretário-geral da OMM, Petteri Taalas, citou os desastres climáticos deste ano que destruíram vidas, infraestruturas e meios de subsistência como a inundação do Paquistão, as ondas de calor recorde na China, Europa, América do Norte e América do Sul, e a longa seca no Chifre da África que corre o risco de virar uma catástrofe humanitária.

Taalas ressaltou a necessidade de aumentar a preparação para esses eventos extremos e alcançar a meta da ONU de alertas prévios para todos nos próximos cinco anos.

Prioridades para o próximo ano

Além dos alertas, entre as prioridades para 2023, há um aumento do investimento no sistema básico de observação global e construção de resiliência a climas e climas extremos.

A OMM também vai promover uma nova maneira de monitorar fontes de dióxido de carbono, metano e óxido nitroso. Isso permite uma melhor compreensão do comportamento dos principais gases de efeito estufa na atmosfera.

Derretimento de geleiras e aumento do nível do mar

Os níveis recordes dos gases de efeito estufa são apenas um dos indicadores climáticos. Nível do mar, conteúdo de calor oceânico e acidificação também estão na lista. A taxa de aumento do nível do mar dobrou desde 1993, aumentando quase 10 mm desde janeiro de 2020, atingindo um novo recorde este ano.

Somente os últimos dois anos e meio representam 10% do aumento geral do nível do mar desde que as medições por satélite começaram há quase três décadas.

E 2022 teve um impacto excepcionalmente pesado nas geleiras dos Alpes europeus, com indicações iniciais de derretimento recorde. A camada de gelo da Groenlândia perdeu massa pelo 26º ano consecutivo e choveu, em vez de nevar, no cume pela primeira vez em setembro.

Um ano seco e quente

Embora 2022 não tenha quebrado recordes globais de temperatura, houve vários recordes nacionais de calor em muitas partes do mundo.

Grandes partes do Hemisfério Norte estiveram excepcionalmente quentes e secas. A Índia e o Paquistão registraram calor recorde em março e abril. A China teve a onda de calor mais extensa e duradoura desde o início dos registros nacionais e o segundo verão mais seco já registrado.

Grandes partes da Europa tiveram repetidos episódios de calor extremo. O Reino Unido notificou um novo recorde nacional em 19 de julho, quando a temperatura ultrapassou os 40°C pela primeira vez. Isso foi acompanhado por secas e incêndios florestais persistentes e prejudiciais. Portugal foi um dos países afetados, especialmente no norte.

Chuvas fora do normal

Na África Oriental, a precipitação tem estado abaixo da média em quatro estações chuvosas consecutivas, a mais longa em 40 anos, desencadeando uma grande crise humanitária que afeta milhões de pessoas, devastando a agricultura e matando o gado, especialmente na Etiópia, no Quênia e na Somália.

A chuva recorde em julho e agosto levou a grandes inundações no Paquistão. Houve pelo menos 1,7 mil mortes e 33 milhões de pessoas afetadas. 7,9 milhões de pessoas foram deslocadas.

A inundação ocorreu logo após uma onda de calor extrema em março e abril na Índia e no Paquistão.

Uma grande área na parte centro-norte da Argentina, e também no sul da Bolívia, no centro do Chile e na maior parte do Paraguai e Uruguai, experimentou temperaturas recordes durante duas ondas de calor consecutivas no final de novembro e início de dezembro de 2022.

 

Copyright © Source (mentionné ci-dessus). Tous droits réservés. Le Land Portal distribue des contenus sans la permission du propriétaire du copyright sur la base de la doctrine "usage loyal" du droit d'auteur, ce qui signifie que nous affichons des articles de presse pour des fins d'information non commerciales. Si vous êtes le propriétaire de l'article ou d'un rapport et que vous souhaitez qu'il soit retiré, s'il vous plaît nous contacter à hello@landportal.info et nous le supprimerons immédiatement.

Divers articles de presse liés à la gouvernance foncière sont publiés sur le Land Portal chaque jour par ses utilisateurs, à partir de diverses sources, telles que les agences de presse et d'autres institutions et individus, ce qui représente une diversité de positions sur tous les sujets. Le droit est à la source de l'article; la Land Portal Foundation n'a pas le droit de modifier ou de corriger l'article, ni d'endosser son contenu. Pour apporter des corrections ou demander la permission de republier ou toute autre utilisation de ce contenu, merci de contacter le titulaire du droit d'auteur.

Partagez cette page