Líderes da ONU alertam para efeitos da falta de apoio alimentar no Sudão do Sul | Land Portal

Foto: Rafael Palomo/Flickr


Após visita ao país, chefes da FAO, Ifad e PMA apontam que crises de alimentos, clima e insegurança causarão perda de vidas e meios de subsistência para milhões de pessoas; entidades enfatizam necessidade de transformar sistemas agroalimentares e capacitar comunidades.


O custo da falta de ação em lidar com as complexas crises de alimentos, clima e insegurança do Sudão do Sul será sentido na perda de vidas, meios de subsistência e futuros para milhões de pessoas em todo o jovem país.


A avaliação é dos líderes de três agências das Nações Unidas, a Organização para Alimentação e Agricultura, FAO, o Fundo Internacional para o Desenvolvimento Agrícola, Ifad, e o Programa Mundial de Alimentos, PMA.


Visita ao país


Eles fizeram o alerta após uma visita de três dias ao país. O diretor-geral da FAO. Qu Dongyu, o presidente do Ifad, Alvaro Lario, e a diretora-executiva do PMA, Cindy McCain, visitaram comunidades que lutam contra os efeitos de eventos climáticos severos.


Com a falta de infraestrutura, a situação humanitária no país fica ainda mais grave, afetando campos agrícolas e meios de subsistência agropastoris e desalojando comunidades.


A visita ocorre depois que o relatório da ONU sobre o segurança alimentar e nutrição constatou que mais 122 milhões de pessoas sofrem de desnutrição crônica desde 2019. 


Segundo Qu Dongyu, a visita ao Sudão do Sul destacou que com ajuda humanitária, centro de desenvolvimento e suporte tecnológico seria possível transformar os sistemas agroalimentares. 


Terras improdutivas


Já na avaliação do presidente do Ifad, o Sudão do Sul tem um grande potencial, com terras, água e uma população jovem. No entanto, apenas 4% das regiões estão sendo cultivadas. 


Alvaro Lario avalia que a agricultura de subsistência pode ser transformada em pequena escala e ser produtiva, melhorando a nutrição da população.


A diretora-executiva do PMA acrescenta que apenas distribuir alimentos não é a resposta. Cindy McCain defende que as comunidades sejam capacitadas para plantar sementes de esperança, oportunidade e desenvolvimento econômico.


A emergência humanitária no Sudão do Sul é causada por uma combinação de conflito, clima e preços crescentes de alimentos e combustíveis. 


A situação é agravada pelos combates no vizinho Sudão, que levaram mais de 190 mil pessoas a fugir pela fronteira para o Sudão do Sul, sobrecarregando ainda mais os já escassos recursos. 


Ao mesmo tempo, sete em cada 10 pessoas no Sudão do Sul têm entre 18 e 35 anos e as taxas de desemprego juvenil estão em 50%, exacerbadas por baixos níveis de educação, habilidades limitadas e uma economia fraca.


Futuro


Durante a visita, os líderes das agências da ONU viajaram para Aweil, no norte de Bahr el Ghazal, onde conheceram membros da comunidade que foram impactados por eventos climáticos, incluindo enchentes e secas prolongadas. Os habitantes beneficiam de projetos da ONU para fortalecer a resiliência, mitigar os impactos dos eventos climáticos e aumentar a produção de alimentos. 


Os chefes das agências também se reuniram com o presidente do Sudão do Sul, Salva Kiir, para discutir a colaboração contínua.


Um novo acordo de parceria de cinco anos também foi assinado para renovar a cooperação interagências, que permitirá aprofundar a colaboração e coordenação nos níveis global, regional e nacional para apoiar a conquista do Objetivo de Desenvolvimento Sustentável 2, que busca acabar com a fome.


Juntas, as agências cobrem um espectro de trabalho que vai desde respostas humanitárias a emergências e choques, até atividades de resiliência e desenvolvimento. 


Sob o acordo, as três agências com sede em Roma trabalharão na transformação dos sistemas agroalimentares, nutrição, igualdade de gênero e empoderamento das mulheres, construção de resiliência, juventude e mudança climática.



 

 

Copyright © Source (mentionné ci-dessus). Tous droits réservés. Le Land Portal distribue des contenus sans la permission du propriétaire du copyright sur la base de la doctrine "usage loyal" du droit d'auteur, ce qui signifie que nous affichons des articles de presse pour des fins d'information non commerciales. Si vous êtes le propriétaire de l'article ou d'un rapport et que vous souhaitez qu'il soit retiré, s'il vous plaît nous contacter à hello@landportal.info et nous le supprimerons immédiatement.

Divers articles de presse liés à la gouvernance foncière sont publiés sur le Land Portal chaque jour par ses utilisateurs, à partir de diverses sources, telles que les agences de presse et d'autres institutions et individus, ce qui représente une diversité de positions sur tous les sujets. Le droit est à la source de l'article; la Land Portal Foundation n'a pas le droit de modifier ou de corriger l'article, ni d'endosser son contenu. Pour apporter des corrections ou demander la permission de republier ou toute autre utilisation de ce contenu, merci de contacter le titulaire du droit d'auteur.

Partagez cette page