Conflitos étnicos na RDCongo mataram mais de 50 pessoas na última semana | Land Portal
Mais de 50 pessoas morreram na última semana em confrontos étnicos em Ituri, província do nordeste da República Democrática do Congo (RDCongo), noticiam hoje agências internacionais, que citam fontes do Exército e activistas da sociedade civil.
 
“É demasiado que tenham assassinado mais de 50 pessoas numa semana. Não é normal”, afirmou o líder de uma organização da sociedade civil, Shabani Awazi, citado pela agência noticiosa espanhola Efe.
 
De acordo com Awazi, o primeiro ataque terá ocorrido na noite de quinta-feira, quando membros do grupo armado Cooperativa para o Desenvolvimento do Congo (Codeco), constituído por membros da comunidade lendu, um grupo étnico da região, mataram 19 civis na cidade de Ndujko.
 
O mesmo activista acrescentou que na sexta-feira mais de 20 civis e dois militares foram assassinados na cidade vizinha de Mahagi, num ataque atribuído ao mesmo grupo.
 
Outras duas pessoas morreram numa emboscada atribuída à Codeco no sábado, tendo no domingo outros seis civis sido assassinados.
 
“Actualmente, as milícias da Codeco só atacam os hema [um outro grande grupo étnico na região]”, afirmou Awazi, acrescentando que outras sete pessoas morreram num outro ataque em Djugu, na terça-feira.
 
Desde meados do ano passado que a zona de Djugu tem testemunhado um aumento do número de ataques e conflitos intercomunitários entre grupos armados, em particular entre hema (pastores) e lendu (agricultores), que se enfrentam devido à posse de terras e pelo controlo do poder.
 
Estes conflitos tinham já sido verificados entre finais de 2017 e princípios de 2018, mas desde então que a situação tem sido calma.
 
No entanto, Shabani Awazi referiu que os atuais confrontos são diferentes do habitual, uma vez que os lendu dispõem de apoio estrangeiro de ugandeses e tanzanianos.
 
À Efe, o porta-voz das Forças Armadas da RDCongo, tenente Jules Ngongo, confirmou os ataques e assegurou que o Exército conseguiu impedir várias acções dos atacantes.
 
O conflito entre lendus e hemas remonta ao final da década de 1990, quando as tropas ugandesas presentes da RDCongo durante a Segunda Guerra do Congo (1998-2003) decidiram colocar um hema, o grupo minoritário na região, a administrar Ituri, uma província rica em minerais, sobretudo ouro.
 
Isto gerou o chamado “Conflito de Ituri”, que segundo as Nações Unidas matou 50.000 pessoas, tendo sido comparado às rivalidades entre hutus e tutsis no Ruanda.

Copyright © da fonte (mencionado acima). Todos os direitos reservados. O Land Portal distribui materiais sem a permissão do proprietário dos direitos autorais com base na doutrina de “uso justo” dos direitos autorais, o que significa que publicamos artigos de notícias para fins informativos e não comerciais. Se você é o proprietário do artigo ou relatório e gostaria que ele fosse removido, entre em contato conosco pelo endereço hello@landportal.info e removeremos a publicação imediatamente.

Várias notícias relacionadas à governança da terra são publicadas no Land Portal todos os dias pelos nossos usuários, partindo de várias fontes, como organizações de notícias e outras instituições e indivíduos, representando uma diversidade de posições sobre cada tópico. Os direitos autorais estão na origem do artigo; a fundação não tem o direito legal de editar ou corrigir o artigo, nem endossar o seu conteúdo. Para fazer correções ou solicitar permissão para republicar ou outro uso autorizado deste material, entre em contato com o detentor dos direitos autorais.

Compartilhe esta página