Que história tem sido contada há 200 anos na América Central? | Land Portal
O bicentenário da independência centro-americana soa exótico.Os governantes destes Estados irão certamente celebrá-lo com grande fervor, celebrações e discursos em que estou quase certo de que as lutas de resistência, sobrevivência e contribuições que os afro-descendentes e os povos indígenas fizeram, para o desenvolvimento destas sociedades centro-americanas, se tornarão invisíveis.  Para fundamentar o acima exposto, teremos de passar rapidamente por 200 anos de invisibilização histórica, nos quais mostraremos a nossa presença nesta parte do istmo compilada em textos, artigos, discursos, entre outros, cujas narrativas permanecem distantes dos textos utilizados nas salas de aula.
 
Entendamos a geografia daquela época. Em 1821, quando a confederação centro-americana lutava por sua independência perto do Mar do Caribe, havia o que se chamava o reino de Moskitia, que se estendia de Trujillo, em Honduras, até bocas del toro, no Panamá (antiga República da Colômbia), estabelecido com suas próprias formas de governo autônomo. Na época da assinatura da independência, esta área costeira não fazia parte de suas repúblicas, portanto, há uma história pouco contada sobre os heróis e heroínas de nossos povos. Numa invasão militar da Moskitia em 1894, José Santos Zelaya, como todos os oligarcas racistas e classistas da época, incorporou à força a Moskitia para a República da Nicarágua, onde este pequeno país celebrou este evento com júbilo, enquanto do outro lado do país houve o exílio e a destruição de formas de governo estabelecidas.
 
Com esta incorporação militar, a Nicarágua assumiu uma extensa área florestal, com uma extensão de recursos minerais, bem como a diversidade cultural, de modo que a República da Nicarágua permaneceu por mais de 70 anos uma extensão territorial menor que a Moskitia; no entanto, esse sentimento conquistador e colonizador do mestiço na classe dominante ainda está presente em 2021. Podemos ver isto através do avanço da fronteira agrícola e pecuária nesta parte do país. Diante desta extensa cultura pecuária, temos visto, em nossa história recente, mais assassinatos de indígenas por suas terras do que há 200 anos, acompanhados de desapropriação, ameaças e estupros a mulheres e meninas.
 
Alguns desses casos podem ser vistos com mais detalhes na "Carta Abierta del Territorio Mayagna Sauni As a Daniel Ortega" e na "Nicaragua's Failed Revolution: The indigenous struggle for sanitation" [1] que recolhe testemunhos em primeira mão de indígenas dessas áreas. Estas narrativas lembram testemunhos orais, transmitidos de geração em geração, sobre a conquista espanhola. Somente nos últimos dois anos, de acordo com os documentos aqui citados e as histórias de vida da população da Costa do Caribe, houve ataques nas seguintes datas: 29 de janeiro de 2020, 12 de fevereiro de 2020, 26 de março de 2020, 10 de julho de 2020, 11 de outubro de 2020, 14 de novembro de 2020, 22 de janeiro de 2020, 04 de março de 2021, 10 de maio de 2021 e 23 de agosto de 2021. 
 
O artigo 4 da Lei de Independência da América Central [2], textualmente declara: "QUARTO: Que o número desses deputados será proporcional a um para cada quinze mil indivíduos, sem excluir da cidadania aqueles originários da África". Este pequeno artigo nos faz entender claramente que desde este tempo temos sido uma parte tangível destas sociedades, no entanto nossas histórias nos livros didáticos começam com a escravidão.
 
Estou convencido de que a maioria dos compatriotas centro-americanos não tem conhecimento deste artigo devido à falta de divulgação em livros didáticos e salas de aula. Isto pode não ser importante para alguns, mas para outros a visibilidade deste tipo de história o é, como é para nós. Como este artigo, podemos encontrar em algumas constituições de nossos países o reconhecimento de nossa existência, embora isto esteja longe das práticas reais de reconhecimento e autodeterminação.
 
Na chegada à América, Cristóvão Colombo e outros 13 exploradores relatam em seus diários que encontraram pessoas de pele negra parecidas com os africanos, já misturadas com a população das Américas. Infelizmente, a história da escravidão e do racismo produziu uma negatividade e desrespeito pela capacidade dos afrodescendentes, a ponto de acreditar que eles habitavam as Américas cerca de 2700 anos após a chegada de Cristóvão Colombo. Nossas características podem ser identificadas em estátuas feitas pelos Olmecas, o que nos permite desmentir que nossa presença na América tenha atravessado o período de escravidão, pois há evidências de que nossos ancestrais se misturaram com outras culturas permitindo que estas características continuem presentes em muitas populações hoje em dia [3]. 
 
Existe uma grande ausência de informação sobre as contribuições e lutas dos afro-descendentes no passado colonial, uma ausência que se traduziu em um processo de branqueamento por mais de 200 anos, a fim de se encaixar em sociedades onde a cor da pele branca, devido à ausência de melanina, se traduz em maiores oportunidades de aceitação social, menos epítetos racistas, invisibilização e outros rótulos que têm um efeito direto em nosso desenvolvimento econômico, produtivo e cultural.
 
No caso da Nicarágua, vemos que para o país em geral é fácil se identificar com aspectos intangíveis das culturas afrodescendentes nos quais existe uma apropriação e reprodução nacional de nossa cultura de forma comercial. É comum ver nos espaços públicos a celebração e reprodução de danças, gastronomia ou músicas nos idiomas dos povos afro-descendentes do país, a tal ponto que todos sentem que nossas expressões culturais também são suas. Entretanto, quando se trata da defesa tangível de nossos territórios e modos de vida, estas mesmas pessoas que se apropriam do intangível dizem: "esta luta não é nossa", "este não é o momento de falar sobre isto", "vocês vivem no passado", "vocês se excluem", "nós não somos culpados", "vocês estão sempre fazendo-se de vítimas". Estou certo de que todo irmão e irmã afrodescendente e indígena já ouviu, em algum momento, alguns dos comentários acima.
 
Reconhecemos também aqueles indivíduos e organizações que de alguma forma contribuíram para apoiar a salvaguarda de nossas expressões culturais e apoiaram a disseminação da violação de nossos direitos humanos.
 
A tudo isso acrescentamos a incorporação da Nicarágua no CARICOM [4], na qual posso dizer que 90% das pessoas que vivem nas duas regiões autônomas da Nicarágua não têm idéia de como isso tem beneficiado esta área geográfica. No entanto, temos uma imagem clara de como isto beneficiou o Pacífico do país, onde também, graças à história da Moskitia, que foi anexada militarmente por Zelaya, a Nicarágua colonizadora ganha mais tarde uma ação judicial internacional contra a Colômbia, onde a Nicarágua estende sua plataforma marítima no mesmo Mar do Caribe, beneficiando-se novamente do território da Moskitia para seu enriquecimento.
 
Para os Povos Afrodescendentes e Indígenas da Nicarágua não há nada para celebrar em torno de 200 anos de independência nos quais não participamos e nos quais nos foram impostos heróis, heroínas e mártires, nenhum dos quais se parece conosco. Mesmo assim, temos que celebrá-los e aceitar que esses personagens, que nada têm a ver com a luta de nossos povos, sejam inculcados nas salas de aula de nossos filhos e filhas como modelos, justamente para nos despojar de nossos próprios recursos, história e territórios onde o enriquecimento através da exploração de nossos recursos naturais, a desapropriação da terra e o racismo expresso em suas diferentes formas durante 200 anos, beneficiou uma classe no país. Afro-descendentes e povos indígenas podemos contar nossas próprias histórias e aprender com elas e, ao mesmo tempo, desmantelar as histórias que nos foram contadas.
 
Que história lhe foi contada sobre os últimos 200 anos na América Central?
 
** George Henriquez Cayasso: Mestre em Gênero, Etnicidade e Cidadania Intercultural, dediquei os últimos 16 anos da minha vida ao trabalho comunitário com os Povos Afrodescendentes e Indígenas e organizações que trabalham na questão dos direitos dos povos minoritários na América Central, conscientizando sobre a importância de aprender nossas histórias, uma implementação efetiva do regime autônomo na Nicarágua, educação intercultural bilíngüe, territorialidade como estratégia para consolidar nossa autonomia além da institucionalidade e da visibilidade da história e dos povos que habitam a Costa Moskitia (Caribe). Consultor independente, dedicado ao trabalho comunitário de base e ao estabelecimento de alianças inter-étnicas.
 
Esta matéria foi originalmente publicada, em espanhol, em O Istmo. 
Tradução: A. Martinez
 
Referências
 
 
 
 
[4]  A Comunidade Caribenha (CARICOM) é uma organização internacional para o fortalecimento das relações na região do Caribe; sua sede está localizada em Georgetown, Guiana.

Compartilhe esta página