O Território Indígena Mayangna Sauni As pede proteção das autoridades nicaraguenses | Land Portal

O Centro de Assistência Legal aos Povos Indígenas (CALPI) recebeu hoje, 7 de fevereiro de 2022, uma reclamação de líderes e membros do Território Mayangna Sauni As - localizado na zona central da Reserva da Biosfera de Bosawás, na costa caribenha da Nicarágua - os quais estão em estado de alerta devido ao deslocamento de pelo menos 120 não-indígenas armados com armas de guerra na área Yapu Kitang (Salto Lagarto) local sagrado; os homens se mudaram da área do rio Pis Pis para a área do rio Waspuk, perto do no morro Kumapaitah, para ocupar violentamente a mina de ouro Sulun - atualmente o local de güirisería ou aproveitamento artesanal.

Desde 18 de janeiro há notícias do deslocamento desses colonos armados nessa histórica montanha na área do rio Pis Pis; e em 6 de fevereiro vários desses homens armados interceptaram um barco no qual membros das comunidades indígenas do Território Mayangna Sauni As estavam viajando em direção ao local da güirisería Sulun, proibindo-os de avançar em direção ao local enquanto tentavam seqüestrá-los. Os indígenas conseguiram escapar, mas os homens armados os ameaçaram: "Em breve nos veremos na estrada".

Colonos armados têm tentado se apropriar da área do morro Kumapaitah desde 2017, quando em dezembro desse mesmo ano atacaram a comunidade indígena vizinha de Wilú - forçando muitas das famílias indígenas a se mudarem para a comunidade de Musawás. Em 22 de janeiro de 2021, nas proximidades das comunidades de Wilú, Tuybangkana, Musawas e Alal, os guardas-florestais voluntários do território foram atacados e 3 deles foram feridos com armas de fogo.

No entanto, os ataques têm ocorrido sistematicamente no Território Mayangna Sauni As em 2020 e 2021. Destaca-se o ataque contra a Comunidade Indígena de Alal, perpetrado em 29 de janeiro de 2020, sendo alvo de 80 colonos fortemente armados, causando: 16 casas queimadas, 10 pessoas desaparecidas, 4 homens mortos e um dos 2 que ficaram feridos com sequelas permanentes, tornando-se paraplégico como resultado de ferimentos de bala recebidos durante o ataque. 

Da mesma forma, o massacre perpetrado na mina Kiwakumbaih em 23 de agosto de 2021, uma colina histórica considerada um local sagrado, bem como um local tradicional de caça e pesca, onde pelo menos 12 indígenas Miskitu e Mayangna foram mortos.

Este ano tem começado mal, pois em menos de dois meses, as comunidades do território Mayangna Sauni As têm recebido constantes ameaças de invasões em diferentes locais históricos, o que tem gerado um estado de ansiedade e emergência entre seus membros. A usurpação dos territórios indígenas é um ataque não só contra a integridade física e psicológica dessas comunidades, mas também contra sua subsistência como povos indígenas dependentes de seus territórios tradicionais e intitulados pelo Estado nicaraguense em 2006.

Portanto, os membros das comunidades indígenas do Território Mayangna Sauni As pedem ao Estado da Nicarágua que cumpra sua obrigação constitucional e internacional de proteger a integridade física desses povos e seu território tradicional, através da ação do Governo e do Conselho Regional da RACCN, dos municípios de Bonanza e Waspám, da Polícia Nacional e do Batalhão Ecológico do Exército Nicaraguense localizado em Bosawás para a proteção da Reserva e de seus habitantes.

Tudo em conformidade com as disposições da Constituição Política da República da Nicarágua, a Convenção 169 da OIT, a Declaração das Nações Unidas sobre os Direitos dos Povos Indígenas e a Declaração Americana sobre os Direitos dos Povos Indígenas.

Compartilhe esta página