Projeto de jornalismo destaca soluções para os desafios fundiários e ambientais | Land Portal


Projeto de jornalismo destaca soluções para os desafios fundiários e ambientais


Por Nieves Zuniga



Há um ano, graças à Rede de Jornalismo de Soluções da LEDE Fellowship e em colaboração com o Land Portal, iniciei um projeto para encontrar histórias em resposta aos danos causados à terra e ao meio ambiente. Durante este tempo, afirmei que comunidades e pessoas ao redor do mundo estão trabalhando para proteger e curar o meio ambiente, mesmo que essas histórias dificilmente cheguem à grande mídia.


A mudança climática é uma realidade preocupante e a mídia fez um grande trabalho ao colocá-la na agenda, gerando uma consciência global e a necessidade de tomar medidas urgentes. Esta é uma contribuição importante considerando que a mídia de notícias é a fonte de informação mais utilizada sobre a mudança climática, de acordo com a Rede de Jornalismo Climático de Oxford. Por esta mesma razão, é importante notar que a maior parte da cobertura se concentra nos problemas, contando-nos apenas parte da história. Mas, os danos ambientais podem ser evitados, e são manejáveis.


Seguindo os quatro pilares do jornalismo de soluções - enfoque na resposta, oferecer conhecimentos, buscar evidências e relatar as limitações - trabalhei com jornalistas locais ao redor do mundo para elaborar e coletar seis histórias de soluções.  Publicadas primeiro na mídia local, elas contam as diferentes maneiras pelas quais indivíduos e comunidades da África, Ásia e América Latina estão respondendo às mudanças climáticas. Eles também mostram um aspecto muitas vezes esquecido pela grande mídia ao informar sobre a mudança climática: como ela afeta as comunidades locais e, em particular, como ela afeta seus direitos de terra. 


Das Filipinas, Angeliza Arceño e Mavic Conde, em Rice Farmers Cushion Losses with Resilient Farmer-bred Variety (Perdas de Amido de Arroz com uma Variedade de Cultivadores Resilientes), publicado pela Bulatlat, mostram como a variedade de arroz orgânico PBB 401, desenvolvida pelo agricultor Pepito Babasa na Camarines Sur, é resistente a enchentes e deixa os(as) agricultores(as) de mãos vazias. A história também mostra que o desenvolvimento destas sementes requer uma agricultura orgânica e experimental, o que não é possível sem o acesso à terra. Além disso, "quanto mais as sementes são adaptadas localmente, mais resistentes ao clima se tornam". A agricultura monocultural, promovida pelos sistemas alimentares industrializados, é um dos principais contribuintes para a perda da biodiversidade", diz Conde. 


Se nas Filipinas as sementes orgânicas e a agroecologia podem ser uma solução para lidar com a mudança climática, na Nigéria a hidropônica pode ser uma solução para a degradação do solo e da floresta. Em sua história, Soilless Farming to the Rescue. How to Boost Agriculture Without Hurting Forests (A agricultura sem solo para o salvamento. Como Impulsionar a Agricultura Sem Ferir as Florestas), publicado pela Fundação para o Jornalismo Investigativo, Abdullah Tijani conta como Adebowale Onafowora, um empresário agrícola nigeriano, abraçou a hidropônica como uma alternativa à agricultura tradicional. A história despertou o interesse de vários leitores na Nigéria que queriam saber mais sobre o assunto. "Os problemas que afetam nosso meio ambiente e nossa terra são suficientemente explícitos para que todos vejam, mas será que podemos dizer o mesmo dos esforços que fornecem soluções para estes problemas? Eles são subnotificados. Para recuperar a saúde do meio ambiente, o papel do jornalismo em mostrar esforços bem-sucedidos (e fracassados) não pode ser enfatizado em demasia", diz Tijani. 


A degradação do solo também é abordada em Movable Kraals to Restore Degraded Land, Boost Crop Production (Caracóis Móveis para Restaurar a Terra Degradada, Aumento da Produção de Cultivos), relatado pelo Enacy Mapakame do Zimbábue, e publicado no The Herald. Mapakame conta como os(as) agricultores(as) de Chinyika, Distrito de Gutu, também muito afetados(as) pela seca, encontraram uma maneira de melhorar a fertilidade do solo através do pastoreio conjunto de seu gado. A ação coletiva para resolver um problema que os(as) afeta a todos(as) se destaca nesta história. Mapakame se lembra de sua reportagem como "interativa, engajando-se com as comunidades para ver os problemas ambientais que enfrentam e ao mesmo tempo focalizando os positivos". A melhor parte é que as soluções vêm das próprias comunidades, utilizando os recursos disponíveis, com a ajuda de parceiros(as) de desenvolvimento em suas áreas". Sua experiência relatando esta história nos lembra o efeito potencializador que pode ser visto. "O interesse que desenvolvi sobre a movimentação de caracóis inspirou os envolvidos na prática a fazer mais e também encorajar suas comunidades vizinhas a adotar a prática", diz Mapakame. 


O envolvimento das comunidades locais também é um aspecto fundamental para um reflorestamento eficaz. Essa foi uma das muitas lições que aprendi relatando minha própria história, From Japan to Brazil: Reforesting the Amazon with the Miyawaki Method (do Japão ao Brasil: Reflorestando a Amazônia com o Método Miyawaki), publicado pela Mongabay. A experiência do reflorestamento de Miyawaki em Belém, Brasil, não só traz a natureza de volta ao seu estado original, mas, por ser um método adequado tanto para áreas rurais quanto urbanas, nos lembra que a Amazônia não é apenas sobre as árvores, mas também sobre os milhões de pessoas que nela vivem. A conscientização e o compromisso da população local com a proteção do meio ambiente é importante.  


O desmatamento é uma preocupação global e as respostas a ele vão além do plantio de árvores. Do Zimbábue, Nhau Mangirazi conta a história de como a apicultura revive a floresta no distrito de Hurungwe, publicada pela The Standard. A apicultura não apenas preserva a floresta da cultura do tabaco - a principal causa do desmatamento na área - e serve como uma cerca biológica atuando como uma zona tampão entre humanos e animais selvagens, mas também traz uma fonte extra de renda para os(as) habitantes locais, sendo muitas das beneficiárias mulheres. 


A sexta história, atualmente em elaboração por Jhostyn Enrique Díaz Tenorio e em breve no El Colectivo 506, cobrirá a experiência dos corredores biológicos interurbanos estabelecidos em San José, Costa Rica. Estes corredores recuperaram espaços públicos amplamente afetados pela poluição e pelo lixo e foram o resultado da cooperação entre as autoridades locais e a sociedade civil.


Mangirazi destacou a importância de as redações darem prioridade e promoverem histórias centradas nas pessoas. "Leitores(as) e ouvintes precisam de uma variedade de histórias sobre questões sociais que os impactam diariamente e como esses desafios podem ser enfrentados da melhor forma possível". 


"Meus editores querem que eu faça mais histórias baseadas na comunidade dando soluções para alguns desafios", acrescenta ele. Este testemunho aponta para o poder do jornalismo de olhar os problemas de uma maneira construtiva. Quando se trata de reportagens ambientais, as implicações vão além da proteção da natureza, pois as soluções para reparar o meio ambiente muitas vezes restauram o acesso e os direitos de terra para as comunidades mais vulneráveis. 


BIOGRAFIA DAS AUTORAS E AUTORES



Angeliza Arceño é uma educadora, trabalhadora cultural e repórter de soluções das Filipinas.


Mavic Conde é uma bolsista da LEDE 2022 na Rede de Jornalismo de Soluções, com um projeto sobre economia de sementes, uma prática sustentável de produção de alimentos que também serve como uma ação climática. Ela é uma jornalista ambiental das Filipinas.


 


Abdullah Tijani é jornalista na Nigéria e colaborador da Young Voices. Ele foi bolsista da African Liberty e da Voices for Change Reporting Fellowship, respectivamente.


Enacy Mapakame é um premiado jornalista de negócios com experiência na cobertura de notícias financeiras e economia. Seus artigos foram publicados nas principais publicações do Zimbábue, como The Sunday Mail, The Herald e Business Weekly, onde ganhou reputação por sua análise perspicaz e seu estilo de escrita claro. Ela tem um grande interesse em relatórios climáticos e ambientais.


Nieves Zúñiga é Membro do LEDE 2022 da Rede de Jornalismo Solutions. Ela é jornalista freelancer e consultora de pesquisa, inclusive na Land Portal Foundation. Ela estudou jornalismo na Universidade de Navarra e ciência política na Universidade de Essex, e desde então ela viveu na Costa do Marfim, Madri, Reino Unido e Berlim. Ela escreve sobre questões ambientais, governança da terra e anticorrupção, entre outros tópicos. 


Nhau Mangirazi é um premiado jornalista de investigação sobre mineração, meio ambiente, HIV e AIDS, saúde, artes, esportes e cultura. Ele está motivado a destacar a justiça social e os direitos humanos para as comunidades marginalizadas, bem como no desenvolvimento das aspirações das mulheres e meninas pela igualdade de oportunidades.


Jhostyn Enrique Díaz Tenorio é estudante de jornalismo na Universidade da Costa Rica.


Related content: 
News
3 Fevereiro 2023
  • Reforestation using the Miyawaki method seeks to restore nature to its original state with results that can be seen in around six years.
  • Miyawaki works around three concepts: trees should be native, several species should be randomly planted, and the materials for the seedlings and the soil should be organic.
  • The method is suitable for urban areas, which gives it a significant capacity to connect human beings with nature, with benefits for the health and well-being of the population.
  • Different from other reforestation methods that may seek a financial return, like agroforestry, the motivation of the Miyawaki method is purely ecological.
News
3 Fevereiro 2023

 In his story, Soilless Farming to the Rescue. How to Boost Agriculture Without Hurting Forests, published by the Foundation for Investigative Journalism, Abdullah Tijani tells how Adebowale Onafowora, a Nigerian agricultural entrepreneur, embraced hydroponics as an alternative to traditional farming.

News
3 Fevereiro 2023

The article tells how the farmers in Chinyika, Gutu District, heavily affected by droughts, came up with a way to improve soil fertility by herding together their cattle. The collective action to address a problem that affects them all stands out in this story.

News
3 Fevereiro 2023

From Zimbabwe, Nhau Mangirazi tells the story of how beekeeping revives forest in the Hurungwe district, published by The Standard. Apiculture not only preserves the forest from tobacco farming – the main cause of deforestation in the area – and serves as a bio-fence acting as a buffer zone between humans and wild animals, it also brings an extra source of income to the locals, many of the beneficiaries women. 

Compartilhe esta página