Memórias e vivências timorenses do 25 de abril e do período de 1974/75 | Land Portal
Language of the event: 
Portuguese

Bernardina Alves

Fátima Guterres

Lídia Araújo

Luís Costa

29 de novembro de 2023, 15h30 (GMT)

Evento em formato digital

 

Moderação: Lúcio Sousa (UAb) e Marisa Ramos Gonçalves (CES)

Enquadramento

Este seminário insere-se no ciclo As Tramas da Memória: datas para contar organizado pela coordenação da linha de investigação Europa e o Sul Global: patrimónios e diálogos. O ciclo visa assinalar e refletir sobre datas menos sonoras, mas igualmente determinantes para a construção do 25 de Abril de 1974 e das independências dos países africanos de língua oficial portuguesa e de Timor-Leste. Os seminários decorrem on-line, sempre que possível na data a assinalar, todos os meses, ao longo de 2023.

Nesta mesa-redonda de testemunhos, quatro timorenses com experiências na resistência civil em Timor- Leste e Portugal — Fátima Guterres, Bernardina Alves, Lídia Araújo e Luís Costa — abordam as suas vivências desse período na primeira pessoa: as expetativas em torno do 25 de abril, o processo descolonização, o conflito interno e o abandono de Portugal do território, que culminaram na proclamação unilateral da independência de Timor-Leste pela FRETILIN, a 28 de Novembro de 1975, antecipando a invasão iminente pela Indonésia.

Este painel integra o Colóquio O 25 de abril em Timor-Leste: Proclamação unilateral da independência em 1975 (online e presencial) que decorre na Fundação Mário Soares Maria Barroso (Lisboa)

Notas Biográficas

Fátima Guterres nasceu em Timor-Leste. A 7 de Dezembro de 1975, no momento da invasão Indonésia de Dili, foge para as montanhas. Foi responsável da OPMT (Organização Popular da Mulher Timorense) e Secretária do COMDOP (Comando Operacional das FALINTIL). Em 1979 foi capturada em combate pelo exército indonésio, ficando sujeita à prisão e à tortura. Consegue em 1987, por intermédio da Cruz Vermelha Internacional, vir com a família para Portugal. Em Portugal continua o trabalho em prol da luta do povo timorense. Foi Vice-secretária da OPTT (Organização Popular dos Trabalhadores Timorenses) e colaborou, de 1989 a 1998, nas Jornadas de Timor-Leste da Universidade do Porto. Participa em debates e seminários um pouco por todo o país, tendo em 1997 participado na 8ª Conferência Internacional Mulher e Saúde no Rio de Janeiro e numa série de debates e conferências em S. Paulo. Autora de vários livros, com destaque para o livro autobiográfico Timor - Paraíso Violentado (2014) e Naha Mauk, Os Dias Eram Assim (2023).

Bernardina Alves nasceu em Timor-Leste. Refugia-se nas montanhas na invasão do exército indonésio em 7 de Dezembro de 1975. Na resistência era coordenadora e Assistente geral da OPMT, tendo trabalhado com o Presidente Nicolau Lobato na resistência. Foi capturada e presa pelos militares indonésios. Conseguiu sair de Timor com a família através da Cruz Vermelha Internacional. Em Portugal participou e contribuiu com os seus testemunhos na luta pela independência de Timor nos encontros com os grupos de solidariedade nacional e internacional.

Lídia Araújo é natural de Timor-Leste. Foge para as montanhas aquando da invasão Indonésia no dia 7 de Dezembro de 1975. Na resistência assume o cargo de responsável da OPMT. Durante o cerco e aniquilamento 78/79, foi capturada num dos assaltos das tropas indonésias e presa três anos. Durante este período era obrigada a apresentar-se três vezes por semana na INTEL, Serviços de Inteligência indonésia. Veio para Portugal em 1990, com o marido que tinha sido preso em Jacarta através da Cruz Vermelha Internacional e da Amnistia internacional. Em Portugal contribui na luta para a independência de Timor-Leste junto dos grupos de solidariedade.

Luís Costa nasceu no ano de 1945 em Fatu-Berliu, Timor-Leste. Fez o curso de Humanidades e Filosofia em Évora e o curso de Teologia em Leiria. Ordenado sacerdote em dezembro 1973, em novembro de 1974 regressa a Timor e é colocado como colaborador na missão de Ossú. De janeiro de 1976 a março de 79 esteve nas montanhas com a resistência. Desde 1984, é membro do Comité da Fretilin na Diáspora, colaborando em atividades pela causa timorense. É Professor de tétum e cultura timorense, investigador, autor de obras como o Dicionário Tétum-Português (2000), Guia da Conversação Português-Tétum (2001), Borja da Costa - Selecções de Poemas(2010), Língua Tétum: Contributos para uma Gramática (2015) e Ué-Lenas - Lenda de Timor Lorosa’e (2018).

Lúcio Sousa é Professor auxiliar no Departamento de Ciências Sociais e de Gestão da Universidade Aberta (UAb). Investigador integrado do Instituto de Estudos de Literatura e Tradição (IELT-FCSH-UNL) e investigador associado externo do Centre for Refugee Studies (CRS), York University - Toronto. Doutorado em Antropologia Social pela UAb (2010) com uma tese sobre a prática ritual e a organização social entre uma comunidade de língua Bunak no distrito de Bobonaro em Timor-Leste. A investigação sobre Timor-Leste centra-se nas práticas rituais e a cidadania, a etnografia em contexto colonial e as políticas de cultura. Desde 2011 leciona e investiga sobre migrações forçadas e refugiados - tema da sua dissertação de mestrado, em 1999.

Marisa Ramos Gonçalves é investigadora do Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra, contratada no âmbito do Programa de Estímulo ao Emprego Científico (CEEC-IND) da FCT e docente num programa de doutoramento do CES/FEUC. É doutorada pela Universidade de Wollongong (Austrália) na área de história e direitos humanos. Atualmente tem em curso o projeto de investigação "Histórias transnacionais de solidariedades no Sul – outros conhecimentos e lutas por direitos no espaço do Oceano Índico”, em Timor-Leste e Moçambique (CEEC-IND). Os temas que desenvolve debruçam-se sobre os lugares de intersecção entre a história e memória, estudos pós-coloniais, educação, sistemas de conhecimento no Sul Global, em particular em Timor-Leste e na região Ásia-Pacífico, temas sobre os quais tem várias publicações.

_____________

Esta atividade realiza-se através da plataforma Zoom, sem inscrição obrigatória > https://videoconf-colibri.zoom.us/j/95693517205
ID: 956 9351 7205

Agradecemos que todas/os as/os participantes mantenham o microfone silenciado até ao momento do debate. A/O anfitriã/ão da sessão reserva-se o direito de expulsão da/o participante que não respeite as normas da sala.

As atividades abertas dinamizadas em formato digital, como esta, não conferem declaração de participação uma vez que tal documento apenas será facultado em eventos que prevejam registo prévio e acesso controlado.

Compartilhe esta página