Investigação internacional ressalta atrocidades no Sudão | Land Portal

Foto: Geoff Pugh/Nando and Elsa Peretti Foundations/Flickr (CC0 1.0​)

Caso em curso no Tribunal Penal Internacional destaca importância de justiça para as vítimas; promotor-chefe do órgão pede mais atenção do Conselho de Segurança para a crise no país africano; ele afirmou que violações do direito internacional humanitário não são isentas de consequências.

O promotor-chefe do Tribunal Penal Internacional, TPI, Karim Khan, apresentou nesta segunda-feira um relatório sobre a situação em Darfur, no Sudão, aos membros do Conselho de Segurança da ONU.

Com base em missões de investigação em campo, cobrindo o período de agosto de 2023 a janeiro de 2024, o documento afirma que “vidas inocentes estão sendo perdidas e o Sudão está à beira do colapso”.

Risco de espalhamento da violência

O relatório ressalta ainda que “as violações do direito internacional humanitário não são isentas de consequências para os seus perpetradores”, em especial em situações em que “inocentes civis e estruturas protegidas são continuamente alvo de ataques”, como ocorre no atual conflito.

Dentre as atrocidades em curso no país africano, marcado pela guerra entre o Exército sudanês e as Forças de Apoio Rápido, RSF, o Escritório do Promotor definiu como prioritários os crimes de violência sexual e de gênero. 

Ao se dirigir aos membros do Conselho de Segurança, ele pediu “soluções inovadoras para responder à catástrofe” e para impedir que a violência se espalhe “de forma ainda mais ampla”.

Crise que requer atenção internacional urgente

Ele afirmou ter visitado campos de refugiados no Chade onde interagiu com pessoas que sofreram traumas e fugiram sem nada, apenas com a roupa do corpo. 

Para Khan, a situação é “terrível em todas as medidas” e o conflito requer, “mais do que nunca”, a atenção do Conselho de Segurança.

O promotor ressaltou que uma em cada três pessoas nas partes afetadas do Chade é refugiada do Sudão e afirmou ter ouvido de muitas vítimas que elas foram deslocadas diversas vezes ao longo de 2023. 

Após relatar situações de estupro e ameaças de extermínio sofridas por sobreviventes, ele disse que é imperativo que os habitantes de Darfur “recebam justiça e não apenas escutem as promessas de justiça que tem escutado durante muito tempo”.

Coleta de evidências

Karim Khan sublinhou que o direito internacional deve ser respeitado e que os princípios e leis do Estatuto de Roma aplicados pelo TPI, “são um patrimônio partilhado da humanidade, que abrange culturas, religiões e etnias, pessoas de diversas crenças e origens e constitui a base comum para avanços”.

No período relatado, o gabinete do promotor aumentou ainda mais o seu envolvimento com novos parceiros de cooperação, organizações da sociedade civil, comunidades afetadas e vítimas e sobreviventes que fugiram para o Chade na sequência de crimes alegadamente cometidos contra eles em Darfur. 

Esta ação de investigação no terreno permitiu recolher uma série de dados importantes, depoimentos de testemunhas, bem como outras formas de provas documentais e audiovisuais.

 

Copyright © da fonte (mencionado acima). Todos os direitos reservados. O Land Portal distribui materiais sem a permissão do proprietário dos direitos autorais com base na doutrina de “uso justo” dos direitos autorais, o que significa que publicamos artigos de notícias para fins informativos e não comerciais. Se você é o proprietário do artigo ou relatório e gostaria que ele fosse removido, entre em contato conosco pelo endereço hello@landportal.info e removeremos a publicação imediatamente.

Várias notícias relacionadas à governança da terra são publicadas no Land Portal todos os dias pelos nossos usuários, partindo de várias fontes, como organizações de notícias e outras instituições e indivíduos, representando uma diversidade de posições sobre cada tópico. Os direitos autorais estão na origem do artigo; a fundação não tem o direito legal de editar ou corrigir o artigo, nem endossar o seu conteúdo. Para fazer correções ou solicitar permissão para republicar ou outro uso autorizado deste material, entre em contato com o detentor dos direitos autorais.

Compartilhe esta página