O décimo terceiro assassinato em Bosawás em 2020 | Land Portal

Líderes e autoridades indígenas informaram ao CALPI sobre o homicídio atroz perpetrado com faca (facão) por um colono não indígena contra o indígena Mayangna Michael López Rivera, de 18 anos (q.e.p.d.); O assassinato a sangue frio, segundo duas testemunhas, foi perpetrado às 14h do dia 6 de dezembro de 2020 na Comunidade Nawahwas, Território Mayangna Sauni Bu, na Reserva da Biosfera de Bosawás.

Embora existam duas versões dos motivos do assassinato do jovem Michael López Rivera (RIP), os membros da comunidade indígena de Nawahwas, assim como a família da vítima, temem que a verdade sobre o assassinato nunca seja conhecida e que estas violências fiquem impunes; devido à omissão do Estado em investigar os assassinatos, ameaças, sequestros, desaparecimentos forçados, estupros e ataques. Crimes que desde 2015 sustentam um padrão de violência sistemática e repetida contra membros de comunidades indígenas e contra aqueles que defendem, individual e coletivamente, os direitos dos povos Mískitu e Mayangna, na Reserva da Biosfera do Bosawás e na bacia do Rio Coco (Wangki) na Região Autônoma da Costa Caribe Norte da Nicarágua.

Os ataques contra os indígenas têm sido perpetrados por colonos armados, que durante este ano de 2020 foram dirigidos principalmente contra membros do Povo Indígenas Mayangna, deixando até o momento um saldo de pelo menos 13 homens mortos, 5 feridos - dois deles com lesões permanentes como paraplegia e amputação de perna - 2 homens sequestrados, 2 ataques a meninas indígenas Mískitu, um deles resultando em um tiro na mandíbula causando problemas para ingerir alimentos e deixando uma cicatriz no rosto , enquanto a outra garota foi sequestrada; bem como causou o deslocamento forçado de mais de 30 famílias membros da comunidade Mískitu de Sangni Laya.

A violência contra indígenas tem como objetivo usurpar as terras que tradicional e historicamente ocupam, aproveitando a insegurança jurídica decorrente da não implantação da etapa de saneamento - determinação do direito de propriedade de terceiros nos territórios indígenas – que seria a última etapa do processo de titulação realizado pelo Estado da Nicarágua, entre 2005 e 2011, em 23 territórios indígenas.

E é que os/as indígenas fogem de seus territórios, ocupados e submetidos ao tráfico ilegal de recursos naturais e terras indígenas, devido às ameaças que os colonos armados fazem contra eles. A isto se acrescentam as políticas estaduais de colonialismo interno direcionadas à Costa do Caribe, tais como: o ímpeto da imigração do resto do país para estas áreas, o avanço da fronteira agropecuária sobre os locais legalmente protegidos e sobre a floresta dos territórios indígenas, causando sua deterioração e destruição. Além disso, tem se facilitado o extrativismo para empresas forestais, mineradoras e pesqueiras a grilhagem de terras direcionada à monocultura de Palma Africana. Tudo isto tem causado o deslocamento forçado de povos indígenas devido à destruição dos seus meios de subsistência e ao medo de serem mortos.

Os líderes, autoridades e membros das comunidades indígenas Mayangna e Mískitu denunciam que, além dos ataques sangrentos dos colonos dos quais foram vítimas; a destruição de suas casas, a perda de safras e gado, e a contaminação da água para consumo humano, deixada pela passagem dos furacões Eta e Iota; eles também estão ameaçados de extermínio. Isto, devido à vulnerabilidade em que se encontram devido à falta de alimentos para os próximos meses e à propiciação do contágio do Covid-19 devido à subida das águas dos rios; já que os indígenas afirmam que suas comunidades não receberam apoio estatal antes ou durante a pandemia ou da passagem dos furacões.

CALPI

Impato dos furacões Eta e Iota em território Mayagna. Foto: Comunidade Nawahwas

No entanto, o Estado da Nicarágua tem a obrigação de respeitar, proteger e garantir os direitos humanos e as liberdades fundamentais das pessoas sob sua jurisdição, sem qualquer discriminação, e tomar todas as medidas necessárias para prevenir e remediar as violações deste direitos. E, em particular, no caso dos povos indígenas, grupos humanos tradicional e historicamente excluídos e discriminados, que necessitam de proteção reforçada diante dos eventos mencionados.

Portanto, hoje, 10 de dezembro, Dia Internacional dos Direitos Humanos, mais uma vez instamos ao Estado da Nicarágua a acabar com o clima de impunidade estrutural gerado pela ausência de investigações sobre os fatos violentos mencionados, estabelecendo assim uma situação de grave risco e extrema vulnerabilidade aos modos de vida tradicionais, à integridade física e mental dos seus membros e à preservação dos territórios das comunidades indígenas Mayangna e Mískitu e da Reserva da Biosfera de Bosawás.

CALPI

Impato dos furacões Eta e Iota em território Mayagna. Foto: Comunidade Nawahwas

Share this page